RSS

Arquivo diário: 03/03/2010

The State of The Internet

Veja os números da internet no mundo.

JESS3 / The State of The Internet from JESS3 on Vimeo.

Anúncios
 
Comentários desativados em The State of The Internet

Publicado por em 03/03/2010 em Uncategorized

 

Tags:

Análise do último Datafolha

Desconhecimento de Dilma é incógnita para o PT

· leia aqui os principais números do Datafolha e também pesquisas de outros institutos (post extra, nas férias, para analisar o Datafolha)
Dilma Rousseff (PT) subiu e quase empatou com José Serra (PSDB) na pesquisa Datafolha realizada nos dias 24 e 25 de fevereiro. O tucano está com 32% contra 28% da petista.

Um fato porém chama muito a atenção. Enquanto José Serra é o candidato mais conhecido do eleitorado, Dilma continua com metade da taxa do tucano nesse quesito.

O Datafolha pergunta quem conhece os candidatos e estratifica as respostas. No caso de Serra, 33% dos eleitores dizem conhecê-lo “muito bem”. Já Dilma só é conhecida “muito bem” por 17% dos eleitores. A seguir, a tabela com o grau de conhecimento de cada candidato:

O que significa esse ainda baixo grau de conhecimento de Dilma por parte dos eleitores? Primeiro, que a alta da candidata do PT nas pesquisas eleitorais se deu muito por conta do apoio que recebeu do presidente Lula, cuja popularidade bate recorde após recorde. Segundo, que o grande teste para Dilma Rousseff ainda não chegou: virá quando ela ficar mais solta na campanha, vai se expor mais e faltamente será bem conhecida de uma parcela maior do eleitorado. Terceiro, que o fato de ser pouco conhecida agora pode ser bom ou ruim; tudo dependerá do grau de empatia que Dilma conseguirá estabelecer com seus eventuais eleitores.

É evidente que Dilma já demonstrou ser uma candidata competitiva. Mas a solidez das intenções de voto só poderá ser verificada mais adiante, quando ela se apresentar por inteira ao eleitorado. Esse momento ainda deve demorar mais alguns meses para chegar.

Marqueteiros experientes enxergam o seguinte cenário à frente para Dilma e para a sucessão em geral:

1. Dilma subirá mais ainda nas pesquisas, por inércia das ações do governo (um marketing disfarçado e muito bem articulado) e pela inoculação que receberá da popularidade de Lula;

2. Não será surpresa se Dilma passar José Serra logo após sair da Casa Civil;

3. A candidata do PT começara a estabilizar então em seguida, podendo cair um pouco quando ficar sozinha na planície, sem cargo nem propaganda na TV até o início da campanha;

4. A partir daí, tudo dependera do desempenho do programa eleitoral e da capacidade dos dois principais candidatos, Dilma e Serra, de convencerem o eleitor sobre quem é o mais adequado para seguir a “obra” do super bem avaliado Lula;

5. Será uma campanha dura, mas em teoria muito mais fácil para o PT e para Dilma por conta da grande popularidade de Lula e por causa da desarticulação do PSDB nos Estados e da ausência do mineiro Aécio Neves na campanha tucana (a não ser que venha a ser vice de Serra, o que parece altamente improvável.

Feita a análise e a ressalva a respeito do pouco conhecimento do eleitorado sobre Dilma, é necessário dizer que a pesquisa Datafolha teve um resultado excepcional para a o PT e para a candidata petista. Para ter acesso aos dados principais da pesquisa e também aos dados de todos os levantamentos anteriores, clique aqui. Este blog tem a tradição desde o ano 2000 (quando ainda nem existiam blogs) de manter a maior compilação de pesquisas eleitorais para presidente, governador e senador.

No caso dos outros candidatos a presidente, algumas observações:

José Serra (PSDB): a resiliência do tucano é grande, pois ele ainda se mantém à frente de Dilma apesar da gigantesca máquina de propaganda federal a favor da candidata do PT. Mas o casco do navio do PSDB está muito avariado. Basta dizer que Serra é hoje, numericamente, o candidato a presidente com maior rejeição entre os que estão no páreo. Pior: perdeu pontos em todos os cenários e em todas as regiões do país, segundo o Datafolha.

A grande esperança tucana é desconstruir Dilma e provar ao eleitor que Serra seria o melhor nome para ocupar o lugar de Lula. Não é tarefa simples –e a curva do tucano está embicando para baixo.

Ciro Gomes (PSB): não aconteceu. Teve seus 10 minutos de propaganda eleitoral em fevereiro. O efeito foi nulo. Ciro tinha 13% em dezembro. Agora, tem 12%, segundo o Datafolha. No seu partido são poucos os que desejam a manutenção da postulação ao Planalto. Para complicar, está mais do que provado que Ciro tende a não ser necessário para garantir a passagem de Dilma ao segundo turno.

Tudo leva a crer que Ciro não conseguirá ser candidato. Até porque seu partido pode negar-lhe a legenda na convenção de junho (prazo oficial e obrigatório para definição de quem será lançado candidato). Restariam a Ciro três opções. Primeiro, não ser candidato a nada. Segundo, ser candidato ao governo de São Paulo representando os partidos lulistas. Terceiro, ser o candidato a vice-presidente numa chapa com Aécio Neves (PSDB), algo que nos bastidores vem sendo dito com insistente frequência. Mas essa terceira saída parece remota, pois implicaria numa desistência de José Serra –algo aparentemente improvável (mas não impossível) no momento.

Os sinais todos são de que Ciro anda chateado com essa situação. Quem é que depois de ter sido candidato a presidente duas vezes gostaria de saber que não terá mais chance? O hoje deputado do PSB, como se sabe, não é dado a “soft landings”. Fica, então, uma dúvida: o ex-ministro de Lula sairá desse processo calminho ou vai atirar para todos os lados?

Marina Silva (PV): outra que não deslancha. Assim como Ciro, teve seus 10 minutos na TV em fevereiro, mas não saiu do lugar. Tinha 8% em dezembro. Agora, manteve-se com 8%.

O desafio de Marina é desgarrar-se do discurso centrado de maneira excessiva no meio ambiente. Ela tem tentado, mas o eleitor está respondendo com indiferença. Ou seja, há que recalibrar a sua “parlance” política. Pelo menos para terminar a eleição do mesmo tamanho que tem hoje.

Por Fernando Rodrigues/UOL

 
Comentários desativados em Análise do último Datafolha

Publicado por em 03/03/2010 em Uncategorized

 

Tags:

Tendências web

É fácil acompanhar as principais tendências da internet no Brasil. Órgãos públicos, associações do comércio e indústria, agências de publicidade e companhias de tecnologia realizam constantes pesquisas sobre a web e divulgam seus principais resultados na imprensa. É assim que ficamos sabendo que o Brasil já possui 68 milhões de internautas, que o comércio eletrônico teve vendas de R$ 1,6 bilhão no Natal e que as redes sociais como Orkut, Facebook e Twitter já são usadas por 45,5 milhões de pessoas.

São informações valiosas para você desenhar o cenário de mercado e planejar seus investimentos em marketing digital, sem dúvida. Mas se o objetivo é criar diferenciais para estar à frente dos concorrentes, fique atento também às microtendências, atividades de pequenos grupos com potencial de provocar grandes transformações na forma como usaremos a web nos próximos anos.

Microtendência é um fenômeno restrito a menos de 1% da população, mas que é capaz de influenciar fortemente toda a estrutura de um país (ou mesmo do mundo) e ganhou popularidade com o livro “Microtrends: The Small Forces Behind Tomorrow´s Big Changes” (Microtendências: as pequenas forças por trás das grandes mudanças de amanhã). Para comprovar sua tese, o autor Mark Penn, profissional da área de pesquisa de mercado nos EUA, levantou 75 microtendências ocorridas em seu país, sendo uma das principais o papel preponderante de uma minoria religiosa na reeleição do presidente George Bush em 2004.

Já é possível detectar microtendências na internet no Brasil, ou seja, o comportamento de minorias com potencial de mudar os hábitos da maioria. Abaixo, listo sete que deverão influenciar o uso da web em 2010, tanto em relação aos consumidores quanto às empresas.

Microtendência 1 – A internet substitui os telefones fixos
A expansão e popularização da banda larga vai permitir a adoção cada vez maior de plataformas de comunicação totalmente baseadas na internet, como o Skype. Simples e prático, basta baixar o programa no computador e preencher as configurações básicas e você já pode conversar à vontade, de graça, com outra pessoa que também tenha uma conta no serviço. Pagando um plano de minutos como o de um celular é possível fazer ligações para telefones fixos em qualquer lugar do Brasil pagando valores muito menores que o das operadoras de telefonia.

Microtendência 2 – Virtualização das reuniões
Outra conseqüência da popularização de plataformas como o Skype é a virtualização das reuniões. Isso porque é possível não apenas conversar, mas visualizar o interlocutor (desde que os computadores utilizados estejam equipados com webcams, recurso também cada vez mais comum) e compartilhar a tela do próprio computador. Assim é possível, por exemplo, apresentar um relatório para um cliente em detalhes e tirar todas as dúvidas sem ter de se deslocar de seu escritório. É uma solução perfeita para agilizar reuniões e evitar deslocamentos desnecessários e cada vez mais difíceis nos grandes centros urbanos por causa do trânsito e dos congestionamentos.

Microtendência 3 – Fim da supremacia do “clique”
Uma das principais formas de mensurar os resultados das campanhas de publicidade online sempre foi o custo por clique (CPC), o valor pago pelo anunciante sempre que um internauta clica em seu anúncio. Porém, estudo recente realizado pela ComScore, especializada em métricas de internet, revelou que um banner ou anúncio, mesmo não clicado, influencia diretamente nas vendas por meio da exposição da marca. A pesquisa mostrou que os banners aumentaram as vendas dos varejistas norte-americanos em 22%, mesmo com baixas taxas de cliques. Estes dados avalizam a opinião de um pequeno grupo de profissionais de publicidade e propaganda, que há tempos defendem novas formas de avaliar os resultados do marketing digital.

Microtendência 4 – Pontas de estoque e clubes de compra online
Sem alarde, lojas virtuais que funcionam como pontas de estoque ou clubes de compra, como Privalia, Brands Club e Superexclusivo, estão se tornando uma febre entre as mulheres justamente por reunir tudo que elas gostam: produtos de marcas famosas por preços incrivelmente baixos, vendidos em um lugar que só as iniciadas no mundo das compras conhecem. É possível encontrar, por exemplo, biquínis da badalada grife Lygia & Nanny (que em shopping centers não saem por menos de R$ 300,00) por apenas R$ 39,90. Mas para aproveitar é necessário ser apresentada por uma amiga já cadastrada no site.

Microtendência 5 – Compra direta nos EUA
Se a onda é aproveitar os descontos na internet, por que não ficar de olho nas mega-liquidações das lojas norte-americanas e aproveitar a baixa do dólar? Este é o filão dos sites de compra direta nos EUA, outra microtendência dentro do comércio eletrônico. Sites como Skybox e Aeropost (que passou a operar recentemente no Brasil) não são lojas virtuais, mas facilitadores de entrega. Ao se cadastrar, você passa a ter uma caixa postal nos EUA (vinculada diretamente ao escritório da empresa), onde pode endereçar as suas compras. Ao chegar, sua encomenda é despachada diretamente para o Brasil, com todos os impostos inclusos. A vantagem desse serviço em relação à remessa direta é o custo do frete, que alguns casos pode ficar em menos de 50% do valor normal.

* Silvio Tanabe é consultor de marketing digital da Magoweb

 
Comentários desativados em Tendências web

Publicado por em 03/03/2010 em Uncategorized

 

Tags:

 
%d blogueiros gostam disto: