RSS

Arquivo diário: 25/03/2010

o futuro do trabalho e o trabalho no futuro

adriana salles gomes, editora-executiva da HSM management, entrevistou o blog para a edição março/abril da revista, que já está nas bancas. o assunto foi o trabalho no futuro e o futuro do trabalho e como nós, no brasil, poderíamos nos sair muito melhor das crises e transformações pelas quais as organizações, o trabalho e a vida citadina [estão passando e] vão passar nas próximas décadas.

a entrevista, que tem por título os seis Cs do futuro do trabalho, ocupa oito páginas da versão impressa da revista e, até onde eu sei, não irá para a web. pra ler, procure a banca mais próxima…

a seguir, um pequeno trailer da abertura da entrevista, que fizemos num daqueles dias de janeiro passado em que são paulo quase se acaba. da conversa e o almoço, no spadaccino, vou lembrar por anos a fio. o temporal… melhor deixar pra lá.

ASG: As conversas da hora do cafezinho nas empresas giram, na maioria, em torno do sonho de trabalhar de maneira diferente. Isso é utopia? Ou faz sentido?

SRLM: É e-topia, mas factível [risos]. Esse é o título de um livrinho brilhante do arquiteto William Mitchell, que todos os interessados no futuro do trabalho e das cidades deveriam ler. Eu tenho certeza de que vamos redesenhar o modus vivendi e o modus operandi. Precisamos viver e trabalhar de forma diferente. Não há como manter o jeito atual. O modo de trabalhar ainda tem a ver com uma época em que os meios de produção eram caros e escassos, e era preciso levar as pessoas até eles. Construíram- se cidades para juntar gente, primeiro para abastecer os workshops [oficinas], depois as fábricas, porque, sem massa crítica de trabalhadores, não fazia sentido o investimento na infraestrutura para produzir algo. Mas isso está mudando rapidamente. Em uma economia contemporânea típica, entre 80% e 85% das pessoas já trabalham em serviços, e apenas 15% a 20%, em produção agropecuária ou fabril. À medida que se automatizam as máquinas e que se pode controlá-las de longe, como vem acontecendo, há umadiminuição significativa do número de pessoas necessárias à produção fabril ou agropecuária. E os meios de produção, no caso dos serviços, intensivos em informação, não são nem caros nem escassos, o que faz com que eles possam ser “deslocalizados”, em vez de serem centralizadores –e ordenadores– do processo de produção.

ASG: O meio de produção vai às pessoas…

SRLM: Sim, tanto aos clientes como aos funcionários. Exemplo corrente são os restaurantes nos diversos bairros de uma cidade, contratando e servindo a quem está por perto. Tal tipo de “deslocalização”, além de mudar as cidades, modifica a essência de uma organização de negócios.

ASG: Como isso mudou? Tecnologia?

SRLM: A infraestrutura digital disponível em larga escala quase no mundo inteiro nos permite discutir de forma muito mais séria como reordenar o trabalho e as cidades que foram montadas nos últimos 150 anos. Temos de fazê-lo, porque o custo de transação para uma pessoa ir de onde mora aonde trabalha é astronômico, tanto em preço absoluto, por conta dos preços de estacionamento, combustível etc., como em preço de tempo.

ASG: O que vai acontecer?

SRLM: Provavelmente, em vez de 6 mil pessoas irem trabalhar em um megaprédio em um lugar, a empresa se dividirá em 12 espaços de trabalho espalhados pela cidade ou região, cada qual com capacidade para 500 pessoas, para o pessoal se movimentar menos… [continua na revista…]

Por Terra Magazine/ Silvio Meira

Anúncios
 
Comentários desativados em o futuro do trabalho e o trabalho no futuro

Publicado por em 25/03/2010 em Uncategorized

 

Tags:

dá pra definir inovação?

estamos nas semanas que antecedem a quarta conferência nacional de ciência, tecnologia e inovação. ciência e tecnologia nós já sabíamos o que era, e aparentemente há tempos; mas inovação é algo supostamente novo, do qual todo mundo começou a falar recentemente e todos e todas as empresas, de bancos a limpa fossas, estão fazendo. ou pelo menos acham que estão, em alguma escala.

tempos atrás, no meu velho blog, tentei uma definição, que seria a abertura de um livro sobre o assunto, se eu tivesse tido tempo de escrevê-lo. não tive. daí que volto ao tema, a seguir, usando como base o que escrevi há três anos, na esperança de causar um debate mais intenso sobre o que é mesmo inovação e qual é o tipo de atitude que nos leva a criar [e manter] iniciativas inovadoras nas empresas, redes e, por que não, em casa e na vida pessoal.

a definição de inovação é ao mesmo tempo simples e complexa; e não é uma, são muitas, para todos os gostos. uma das que eu mais uso, olhando para as empresas, é que inovação é a emissão de mais e melhores notas fiscais. porque só acontece no mercado; porque seria muito bom que estivesse refletido nas notas fiscais e porque mais notas é mais vendas e melhores notas quer dizer que a margem, a diferença entre custo e preço, estaria aumentando [ou que a empresa estaria se tornando mais competitiva]. claro que isso é debatível: você poderia dizer que seria ainda mais interessante se a empresa emitisse muito mais notas [ao invés de somente mais] e que, mesmo com margem mais baixa, aumentasse significativamente a margem total. também vale; o que importa é que a idéia geral seja percebida e discutida em suas variadas facetas.

se peter drucker fosse definir inovação, ele provavelmente diria que inovação é a mudança de comportamento de agentes, no mercado, como fornecedores e consumidores [de seja lá o que for]. mas o mesmo drucker também diria que inovação é toda mudança que cria uma nova dimensão de performance [no negócio]. se eu fosse dar uma definição longa e bem explica, eu diria que…

inovação é um ideal inconsistente: os discursos que servem de suporte a processos de inovação, na maior parte das instituições -e feitos por boa parte dos autores- são descrições articuladas de casos de sucesso e suas análises. também se usa muito, para exemplificar, os cases de instituições inteiras como modelos de estratégias e processos de inovação a serem seguidos.

olhados mais de perto, nem os casos individuais nem os cases institucionais nos dão, na quase totalidade das vezes, uma direção segura a seguir. por quê? porque cada instituição é diferente, é um caso à parte; mesmo dentro de uma mesma organização mundial, uma inovaçào que tenha dado certo no japão não dará necessariamente certo no brasil.

apesar disso, livros e mais livros de [quase] auto ajuda, descrevendo as melhores práticas, são consumidos avidamente por quem tenta construir, instalar e manter processos inovadores nas empresas, com resultados vários e, dificilmente, replicados a partir de grandes sucessos descritos na literatura. pois uma coisa é olhar para a inovação na microsoft ou google, companhias que dispendem vários bilhões de dólares por ano em inovação, e outra é pensar numa pequena companhia de software de 50 pessoas e ver, lá, como inovar nos processos produtivos e nos produtos e serviços que o negócio desenvolve.

o ideal inconsistente da inovação é a criação e manutenção de um ambiente de insatisfação institucionalizada com o status quo de um negócio qualquer.

não se quer dizer com isso que inovar é criar insatisfeitos, gente que estará de mau humor com o trabalho sendo realizado no lugar, por conseguinte disposta a abandoná-lo na primeira oportunidade. muito pelo contrário. a insatisfação pode -e deve- ser uma busca alegre e divertida de oportunidades de mudança, promovida e recompensada pela organização, que estará sempre refletindo, em termos pessoais e estratégicos, que há mudanças que podem ser realizadas, o tempo todo, partindo do atual estado de coisas para novos [e potencialmente inconsistentes] ponto de equilíbrio.

inovação é sempre impermanente, imperfeita, incompleta.

e aqui é onde as pessoas e sua tendência a querer estabiliade, no médio e longo prazo, mais sofrem em instituições inovadoras ou em instituições que estão começando a levar inovação a sério. pois normalmente se pensa, quando se sai de um ponto de partida p, em um processo de inovação qualquer, que haverá um destino final f que, quando atingido, dar-se-á a mudança por completa. mas não.

inovação é impermanente. seu resultado é temporal e não leva muito tempo até que o resultado de um processo se desvaneça, deixando uma tênue lembrança dos resultados alcançados a tanto custo. inovação ocorre em ciclos. ao se caminhar de p até f, normalmente à custa de sacrifícios institucionais e individuais dos quais nos lembraremos por algum tempo, ao invés de se chegar num ponto final, f, chega-se num novo ponto de partida, o mesmo f. pois, à medida que estamos mudando, o mundo está mudando ao nosso redor e pode muito bem ser que, mesmo que nós tenhamos feito revoluções na nossa mudança, o novo estado institucional para onde estávamos indo já seja obsoleto na metade do nosso processo, em função da entrada de novos -e muito mais eficientes ou eficazes, ou os dois- concorrentes no nosso mercado. ou porque o nosso mercado foi redefinido. ou porque a redefinição foi tamanha que ele -o tal nosso mercado- desapareceu.

inovação é imperfeita. toda inovação é parte de um processo de insatisfação que guarda as sementes de sua própria renovação. quando tratamos de processos institucionais, isso é ainda mais verdade: mudar, em uma organização, não é apenas o processo de transitar entre uma estrutura, velha, e outra, nova. é criar as bases para que a mudança seja permanente, entre formas de ação e organização [que já foram muito] boas e outras [que pretendem ser ainda] melhores.

se quisermos, inovação pode ser definida como o contínuo processo de se transitar entre conjunturas –ao invés de estruturas- organizacionais. daí porque, ao invés de tentarmos alcançar uma certa execução perfeita do conhecido, criando estruturas permanentes, estamos à busca -em processos inovadores- da execução imperfeita do desconhecido, [re]descobrindo conjunturas, as relações entre elas e imaginando e realizando os saltos que teremos que dar de uma[s] para outra[s]. a interlocução entre os estados institucionais de saber-se imperfeito e entender-se temporal é uma das conjuções motrizes dos processo inovadores. mas não é só.

inovação é incompleta. não estamos atrás de mudar tudo e todos ao mesmo tempo. partindo do princípio dual de que a perfeição, no nosso caso, é inatingível e que tudo se desvanece sob o impacto das mudanças efetuadas aqui e algures, adicionamos à equação a incompletude dos processos de inovação. vai estar sempre faltando considerar alguma faceta, algum aspecto externo, algum modelo de mudança nos cenários de nosso interesse. o mundo não é simples; o mercado idem; sua empresa tampouco e, se você ou eu fôssemos simples, o mundo não teria a menor graça, por sinal…

impermanência, imperfeição e incompletude são características básicas, pensando bem, de todas as coisas. vivas ou não. principalmente das vivas. uma organização qualquer é uma estrutrua viva, em processo contínuo de recriação [deveria ser, também, de recreação…] e “habitada” por pessoas, que sofrem, pela sua própria natureza, destas três limitações. nosso problema central, nos processos inovadores, é como fazer o melhro uso destas características naturais dos sistemas populados por seres humanos e, a partir daí, criar os métodos, sistemas e estruturas mínimas que possibilitem e fomentem o redesenho permanente dos nossos negócios e instituições.

se este é o cenário, será que dá pra pelo menos tentar atingir alguma coerência e consistência nos processos de inovação e dos negócios inovadores? dá. mas dá um trabalho danado. e como esta conversa já está muito longa, disso a gente fala depois…

Por Terra Magazine/ Silvio Meira

 
Comentários desativados em dá pra definir inovação?

Publicado por em 25/03/2010 em Uncategorized

 

Tags:

 
%d blogueiros gostam disto: