RSS

Arquivo diário: 14/04/2010

VOTE DECISION, MEDIA AND PUBLIC OPINION: HOW DOES ELECTORS ACT

Renate Kösher
Institut für Demoskopie Allensbach – Alemanha

On November 2009, Dr. Helcimara Telles (UFMG) and Dr. Silvana Krause
(UFG), from the editorial board of Em Debate, interviewed Renate Kösher,
Director of one of the most important institutes of public opinion research in Germany – the Institut für Demoskopie Allensbach (http://www.ifdallensbach.de/ – founded by Elisabeth Noelle-Neumann, author of the theory of The Spiral of Silence. On this part of the interview she talks about public opinion researches, it’s interaction with media and with vote decision.

Em Debate: How do you conduct surveys concerning the internet?
Renate Köcher: One has to respond, actually, in different ways to this question. We employ ourselves intensively with the question how the internet usage is evoluating in the society, virtually that means the internet usage is regarded as an object of research. The internet as a vehicle to conduct inquiries, so that we conduct interviews via the internet, we solely bring into action very selectively. We still prefer face-to-face interviews.

ED: In which ways do you explore the phenomena of communication through the internet?RK: We are intensively engaged with this. We conduct 10.000 annual interviews to analyze this and just recently published once again the results of this study in Munich in a presentation in one of the main papers concerned with trends of the internet usage in Germany.

ED: Did you publish the material also in english in the internet?
RK: We have published it in German. To what extent it is translated already I do not know. Usually our big Map Media Studies are published in German and English. There are also English code books, therewith one can inform about everything which the study contains.

ED: How do you employ qualitative and quantitative methods? Do you combine them? RK: We do employ both techniques, but with a strong focus on quantitative methods. As for qualitative methods, we normally employ them to prepare quantitative investigations. For example, we are at the moment investigating with regard to qualitative methods on the question, why the CDU does have structural problems to gain support of the youth and of electors in bigger cities. We are approaching this question first through qualitative methods before investing more with quantitative methods. But we conduct election surveys just based on qualitative methods with the help of face-to-face interviews.

ED: Is it possible to conduct election opinion surveys three days ahead of the elections, legally? RK: Yes, we published five days and again two days in front of the elections new figures. That is absolutely no problem.

ED: How far do this publication of the electors opinion in front of the elections influence the elections? RK: I would say that the institutes for opinion surveys do not discuss this since a long time, because all thesis about this didn‘t prove to be right. For example in 2005 the CDU should have faced an increase in the support instead of a decrease. When during the last day there are significant changes in the electors opinions then this is due to a new topic which attracts the attention of the public, for example
during the election in 2002, just in front of the elections there was a change of topic in the public, from working market to the Iraq, and the work market topic was helping the CDU and the Iraq topic was helping the SPD. When there is a change of topic just before an election – and this is also for the parties an election tactic always interesting to think of – is there any topic which is possible to support in the last minutes before an election to employ agenda setting which is changing the perspective of the electors? Such things are important. Or if parties commit serious errors concerning the electoral tactic in the end of the electoral campaign, like the CDU in 2005, which was suddenly presenting new tax policies, which were also controversy discussed in the own party, but the publishing of opinion survey there do not exist reasonable evidence which suggesting an influence, especially because there do exist several institutes which do publish the last week in front of elections without one can explore significant influences.
ED: For Brazil, if one wants to find out in how far the political contours of the
electorate has changed, that means the electoral behavior, and in how far the electoral behavior changes due to the different strategies of the parties during the elections. That means the effects of the electoral campaigns on the votes, which represent the political behavior of the electors.
RK: What period of time do I have to think of for an electoral campaign in Brazil? In Germany, for example, we just witnessed 4 to 6 weeks of actual electoral campaign and in this period not much has changed.

ED: In Brazil 3 months and lot of TV. TV is crucial, fundamental, and therefore marketing is very important, to produce good programs for the TV. One has to consider that the programs are very focused on persons, so that the image of the persons is decisive, for this Lula has changed a lot of things for the elections in 2002. The electorate, especially because the majority has just received a minor education, receive their informations through TV. RK: The TV is also becoming more important here in Germany, because the newspapers consumption is declining.

ED: The difference is, that in Germany the people are paying more attention to the TV nowadays than to newspapers, but in Brazil politics started in the TV. RK: Of course, but also in Germany during the period of expansion of TV the amount of political interested people doubled back then. Originally before the establishment of TV in Germany the share of political interested people was approximately 1/4 of the entire population and after a few years of TV the share increased to 1/2, this level remained. ED: Even if TV is very important to obtain political information during the elections, that does not mean the people do care about politics. Disaffection of the people concerning politics is not getting abolished by TV. RK: That is the same for Germany.

ED: TV in Brazil most likely does have a different role than here in Germany.
Generally speaking the Brazilians consider TV as a way to relax. They are used to telenovelas, which pass all the time on TV, so many of the Brazilians consider electoral campaigns on TV almost as a type of telenovela which serves to relax but they don‘t take it very seriously. But I think in Germany it is different. RK: I think in Germany the development is heading exactly towards this direction.
ED: And politics adopt the format of TV?
RK: In Germany all the private channels were established since the end of the 1980‘s. They were focussing from the beginning on „infotainment“, that means not a lot of serious informations, very personalized, the informational parts strongly reduced, and when we consider, especially the younger generation, which uses TVas a way of entertainment, they watch politics on TV basically under the aspect of entertainment with a moment of relaxation.
ED: Which factors do have the deepest impact on the formation of the public
opinion: the mass media or the interpersonal communication? RK: That‘s a question which cannot be answered in general. In situations in which
people formate their opinions related to topics, on which people in their personal environment do already have experiences with, generally the interpersonal communication is more important. On all other topics where one does not have a chance but to trust on the media, for example in the area of Europe, German participation by military operations, and so on, the view of the media is of high relevance. And it is also important to keep in mind that the process of opinion formation is always characterized by dependencies, that means interpersonal and medial communication are influencing on another, especially the agenda setting of the media does strongly influence the interpersonal communication.

ED: How far is it still possible to assume that the mass media are receiving a silent majority which is not able to articulate their opinion in the public in times of modern communication vehicles especially concerning the possibilities of discussion forums which are accessible through the internet?
RK: I don‘t know if I did understand the question. We are intensively observing the meaning of the internet for political informations. What we observe is that the internet is providing a huge audience with political informations, but the vast majority of these people use the internet just rarely due to an active demand of information. The internet serves only for a relatively small audience as an information vehicle on a regularly basis. Still the continuous information is mostly received through TV or print media. And therefore, this is a topic which is very important to me, the internet is changing the way of dealing with information. The ones that trust on the internet do not inform their selves on a regularly basis but if they want to find out a particular information. That means the information process is more related to a particular occasion or event and therefore less continuously and profound. On consequence we can observe that the spectrum of interests is getting more narrow in the young generation, because they primarily ask for the things which do interest them.

ED: Brazil is a country where the media is controlled by only a few people.
Nevertheless, Lula was able to win the last elections even though he was strongly criticized by the mass media before the elections. How is it possible to explain that, even though the mass media is trying to denigrate Lula every day and in the light of political scandals, that Lula still has such a high popularity?

RK: First of all, I do not know the Brazilian situation. Therefore I just can mention the hypothesis I would investigate on. I would initially ask myself in how far the population knows that the mass media is controlled by only a few people and therefore is regarding the mass media as a communication vehicle of a particular group which results in a basic suspicion of the population towards the mass media if the mass media is providing real information or just propaganda like it is often discussed in the context of Italy. This would be possible to find out with the help of opinion surveys. Then I would investigate on the question in how far a candidate succeeded, especially in a society which is marked by deep class contrasts, in connecting with the people, in a way that the people say: he is one of us, he
fights for our interests and is getting criticized by the media because of that, which results in a solidarity effect. Further one has to investigate on the different candidates and their profiles, so there are more important personal characteristics, for example, to fight and not to give up is a personal characteristic, which is highly important for the voters, and I can imagine that, especially in a situation like Lula‘s, this is the case.

ED: In how far is it possible to explain the strongly deviation of the results of the surveys from the real results by the phenomena of the spiral of silence?
RK: Actually it is not, because normally the results do not differ strongly. We only had one case, that was in 2005, and this case had nothing to do with the spiral of silence but was due to dissonances. The electors were convinced that they had to change the government from SPD to CDU, because the SPD de facto resigned from office before the end of the legislature and surrendered. But the CDU did announce tax increases and welfare state reforms and it was also the case that at this time the people were insecure if Ms. Merkel would be able to lead the government, that just changed during here first office. And therefore the people didn‘t like the program of the CDU, the preferences of the candidates were in favor of Schröder and not in favor for Merkel, and that led to a last minute decision by a lot of electors to finally not vote for the CDU. And therefore we learned to pay highly attention to dissonances, that means if the several indicators are heading towards the same direction or if they don‘t. At the last elections all the indicators were heading towards the same direction. The candidate preferences were in favor of the CDU, the preferences of the parties were in favor of the CDU, the wish that the CDU should remain in office was strong, and therefore this time the view was clear and there wasn‘t a strong deviation.

ED: In Germany and Europe, there are many Muslims, which have their own
values and cultural behavior which are not compatible with a lot of western values. Is it possible, by looking at this group, that a spiral of silence is evolving?
RK: We do not have that impression. Just recently we have conducted a survey with immigrants with the help of bilingual interviewers who mostly do have an immigration background. Normally the immigrants are telling openly their political opinions. But depending on the group of immigrants the sympathies vary a lot. Turkish immigrants are clearly more left-wing orientated while immigrants of the former Soviet Union tend to support the other side.

ED: Is it possible to explain why the Turkish are more left-wing oriented while the immigrants from the former Soviet states tend more to support the right-wing parties? RK: One has to see that also in Turkey the left-wing parties are strong. And regarding the turkish immigrants here is also of course a class effect. And a third reason is that the SPD always has been considered as a pro-immigrants party, while the CDU, especially regarding their basic opinion towards the membership of Turkey in the EU, where the CDU always emphasized that they do support a privileged partnership but not a membership of Turkey, was regarded less friendly by the Turkish immigrants.

Por Revista em Debate

Anúncios
 
Comentários desativados em VOTE DECISION, MEDIA AND PUBLIC OPINION: HOW DOES ELECTORS ACT

Publicado por em 14/04/2010 em Uncategorized

 

Tags: ,

o futuro, os jovens, a política e o capital em rede

“a política, quando realmente nos inspira, oferece uma nova visão do futuro”. a frase abre a introdução do relatório “To tackle the challenges of tomorrow, young people need political capital today…” [ou AN ANATOMY OF YOUTH], escrito por celia hannon e charlie tims para a demos, com a participação de gente como danah boyd e zygmunt bauman [de quem você pode ver uma entrevista a maria lúcia garcia pallares-burke neste link].

o que o relatório tenta descobrir é como os jovens britânicos [12% da população do reino unido, em 2007, tinha entre 16 e 24 anos de idade] querem e podem da vida e o que farão do futuro, num país onde, daqui a duas décadas, os maiores de 65 anos serão duas vezes mais, em número, que os “jovens”.

no brasil, costumamos pensar que não temos este problema; mas nossa população começa a envelhecer rapidamente e a pirâmide populacional dos anos oitenta [vermelho, abaixo] já mostra, hoje [laranja, abaixo], uma “barriga” de idade que vai nos levar a uma situação similar a dos países mais desenvolvidos do ponto de vista de distribuição etária da população. o que não deveria ser nenhuma surpresa, já que estamos simplesmente, no tempo, copiando seus modelos de desenvolvimento e evolução social.

image

dentro de muito pouco tempo [ou agora?…] o que teremos que gastar para prover os aposentados estará minando, seriamente, os investimentos públicos que seriam necessários para garantir mais e melhores possibilidades de futuro para os jovens. mas isso é outra história; o interesse do blog se volta para os capítulos do estudo que tratam da juventude em rede. em “owning a digital identity”, danah boyd observa que…

Privacy is not dead among teenagers, but it is being realigned. Historically, young people had to go out of their way to make something public; spreading rumours widely was possible but not always easy. Today, sharing publicly is often the default. Instead of thinking about what to make public, today’s teenagers think about what to make private.

image

o mesmo parace ser verdade também no brasil: ao invés de considerar o que compartilhar, o que está em discussão entre os jovens é o que manter privado; o “novo” padrão, para os “jovens” é compartilhar tudo. isso muda muita coisa e tem impactos de porte na [por exemplo] atitude em relação à disponibilidade e uso de mídia na web. desde que a rede é rede, os “jovens” sabem que copiar arquivos protegidos por copyright, sem licença, é ilegal, [88%, neste estudo de 2004…] mas não estão nem aí pra isso: no mesmo reino unido desta discussão, dois terços dos jovens copia música da rede, todo dia.

o governo [britânico, e muitos outros] vai tentar apertar com mais legislação punindo download ilegal… mas o efeito será nulo, porque ídolos dos “jovens”, eles próprios jovens como liam gallagher, ex-oasis, saem dizendo [sexta passada] que “não estou nem aí pra cópia ilegal de música online” e, logo depois, liga a metralhadora giratória contra seus pares que reclamam disso, usando a linguagem do seu tempo de “jovem”:

“Downloading’s the same as what I used to do – I used to tape the charts of the songs I liked [off the radio]. I don’t mind it. I hate all these big, silly rock stars who moan – at least they’re fuckin’ downloading your music, you c*nt, and paying attention, know what I mean?”

attention. atenção. será que todos os autores e donos de copyright estão prestando atenção e entendendo o que gallagher está dizendo?

atenção era o que deveríamos prestar, todos, também, à abertura do texto de zygmunt bauman no capítulo sobre “belonging to changing communities”, do relatório, onde o filósofo do tempo e da modernidade “líquidas” alerta:

Young people emanate anxiety, restlessness and impatience as they confront an apparent abundance of chances, and the fear of overlooking or missing the best among them. Idols to watch and fashions to follow are as profuse as they are short-lived. Chances pop up and disappear with little or no warning, and the rules of the game are changed before the player had time to finish.

ou… os jovens emanam ansiedade, desassossego e impaciência à medida que confrontam uma aparente abundância de oportunidades e têm medo de deixar passar ou perder as melhores entre elas. ídolos e modas, a seguir e usar, existem em tanta profusão quanto em brevidade. alternativas surgem e desaparecem com pouco ou nenhum aviso e as regras do jogo mudam antes mesmo que o jogador tenha tempo de chegar no último nível.

resumo? nunca antes [mesmo!] na nossa história nenhuma infraestrutura tecnológica, de negócios, usos e costumes evoluiu tão rapidamente como a internet e a web. e não foi por causa de lula ou de um governo do PT, claro.

tentar prender a fluidez deste nosso tempo em regras de uma outra era é causa perdida e esforço jogado fora, porque a velocidade da mudança só tende a aumentar, tanto no que diz respeito a coisas tópicas [e irrelevantes, no contexto mais amplo] como downloads ilegais quanto nos mecanismos de participação de mais gente, e muita gente jovem, nas definições do que o planeta, e suas economias e sociedades, serão.

é só questão de tempo, o pouco tempo entre o agora e quando os jovens descobrirem o capital político que detêm num mundo em rede. por sinal, vêm aí as eleições…

image

Por Terra Magazine/ Silvio Meira

 
Comentários desativados em o futuro, os jovens, a política e o capital em rede

Publicado por em 14/04/2010 em Uncategorized

 

Tags:

Na média das pesquisas, a diferença entre José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) caiu para 4,1 pontos

Na média das pesquisas, a diferença entre José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) caiu para 4,1 pontos percentuais após a divulgação da sondagem do instituto Sensus realizada na semana passada. Os gráficos abaixo mostram a evolução dos presidenciáveis de duas maneiras diferentes. O primeiro traça a média móvel das últimas três pesquisas divulgadas. Serve para mostrar as tendências de longo prazo. O outro registra os resultados, ponto a ponto, de Ibope, Datafolha, Vox Populi e Sensus.

clique na imagem para ampliarclique na imagem para ampliar

A média móvel mostra que, a despeito das diferenças dos resultados dos quatro institutos, há uma tendência persistente de diminuição da vantagem de Serra. A diferença média do tucano para Dilma chegou a ser de 21 pontos no final do ano passado. Caiu para cerca de 8 pontos no começo de fevereiro, para cerca de 6 pontos no fim de março, e, agora, chegou a 4,1 pontos. Na média, Serra está num patamar de 34% das intenções de voto estimuladas, enquanto Dilma está num patamar de 30%.

Qual o significado disso? Mais conhecido dos presidenciáveis, Serra se segura naquela porção do eleitorado que não vota em candidatos petistas, e que oscila entre 30% e 40% do total. Ao mesmo tempo, Dilma consolidou-se no eleitorado cativo do seu partido e entre os eleitores que dão nota 10 ou no mínimo 9 ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Ela avança à medida que é identificada por mais eleitores simpáticos ao presidente como sua candidata.

clique na imagem para ampliarclique na imagem para ampliar

Nesta fase, a pré-campanha, a grande maioria dos eleitores não está preocupada com o pleito. Especialmente os eleitores que não têm preferência partidária ou que não têm simpatia pessoal por um ou outro candidato. Logo, os pesquisadores impõem um problema a esse eleitor quando o abordam e perguntam qual sua intenção de voto. Um problema sobre o qual ele não havia pensado antes.

A tendência é esse eleitor independente citar o primeiro nome que lhe vêm à cabeça, o que não é necessariamente fruto de uma decisão ponderada.

Por ser mais um reflexo do que uma decisão firme de voto, oscilações nos percentuais dos candidatos podem ocorrer de uma pesquisa para outra. Diferenças metodológicas entre os institutos e/ou da ordem das perguntas no questionário acentuam essas oscilações, e jogam um ou dois pontos mais para lá ou mais para cá.

Por isso, é mais relevante, ao menos por enquanto, acompanhar as tendências de longo prazo. É o que o gráfico das médias ajuda a fazer, aplainando o zigue-zague do gráfico das pesquisas ponto a ponto.

O único efeito prático de se enfatizar o resultado isolado de uma ou outra pesquisa é mobilizar a militância partidária em torno do seu candidato de preferência. Ninguém ganha eleição de véspera. Mas manter a massa de simpatizantes aguerrida e entusiasmada por seu candidato, usando o discurso de que ele está na frente ou em ascensão, é uma das armas dos comitês de campanha. Isso serve mais aos partidos do que aos eleitores.

Por OESP/Jose Roberto Toledo

 
Comentários desativados em Na média das pesquisas, a diferença entre José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) caiu para 4,1 pontos

Publicado por em 14/04/2010 em Uncategorized

 

Tags:

internet: articulação e coordenação, ao invés de regulamentação

a internet, no mundo e no brasil, vem sendo regulada por um acordo de cavalheiros. dito desta forma, pode parecer que a rede precisa de mais ordem e mais estrutura; não, nada disso. é exatamente este acordo de cavalheiros, montado sobre a rede de conhecimento, relacionamento e articulações de um sem-número de comitês, grupos e competências, em todo o planeta, que faz com que a rede seja um instrumento essencial para a economia e a sociedade e, ao mesmo tempo, continue a manter, década e meia depois de se tornar comercial, sua vertiginosa velocidade de inovação.

a quantidade, diversidade e qualidade da inovação é o que tem nos dado, nos últimos 15 anos de rede comercial, a clara sensação de que estamos sempre “correndo atrás” para ficar no mesmo lugar, ou seja, capazes de usar o que a economia criativa da rede nos apresenta todo dia. ou, melhor ainda, o que o ambiente de inovação e empreendedorismo globais, dependente da rede, permite que criemos e ofereçamos ao mundo, todo dia.

vez por outra –como não poderia deixar de ser num acordo de cavalheiros- as coisas chegam perto de um ponto de ruptura. exemplo bem recente é, na semana passada, a FCC perdendo uma disputa sobre NEUTRALIDADE de rede para COMCAST e fazendo alguns começarem a acreditar que o regulador americano de telecom poderia, de repente, estar pensando em reclassificar ACESSO e PROVISÃO de serviço de internet como TELECOM. não falta quem queira, por muitas razões, fazer exatamente isso.

Kirk wants to take away your rights on the internet

nas últimas semanas e meses, este é o mais importante e complexo problema que rodeia o acordo de cavalheiros que rege a rede [nos EUA], pelo menos pra quem que está na rede e preocupado com seu futuro. a COMCAST, nos EUA, é um provedor de acesso que faz traffic shaping, o processo de priorizar uns pacotes, em sua rede, em detrimento de outros. em particular, a COMCAST só deixa passar pacotes do tipo torrent [muito usados para download de música e vídeo] quando “dá”. e o problema é que este “dá” pode ser quase nunca. pois bem: a FCC tentou obrigar a empresa a tratar todos os pacotes da mesma forma [neutralidade de rede, de forma simplificada, é isso] e, na justiça, perdeu.

as consequências podem ser imensas e mundiais. uma delas, a mais radical, seria  transformar acesso e provisão [em outras palavras, banda, larga] em telecom, trazendo junto com isso toda complexidade, parálise e, porque não dizer, bolor que permeia a regulação e o setor de telecom em todo mundo. não falta quem queira controlar algo do porte e valor de mercado da internet; sabemos todos, por outro lado, quais seriam as consequências do ponto de vista da velocidade de evolução se, por exemplo, a assembléia da UIT [e seus convolucionados processos decisórios] tivessem que regular, digamos, a porta 25.

falando nisso, taí um bom exemplo, a gestão porta 25: segundo o cert.br, gerência de porta 25 é o nome dado ao conjunto de políticas e tecnologias, implantadas em redes de usuários finais ou de caráter residencial, que procura separar as funcionalidades de submissão de mensagens daquelas de transporte de mensagens entre servidores. certo. e… se a porta 25 não for devidamente gerenciada? bem, 80% do spam que chega na sua caixa postal pode ser relacionado diretamente a portas 25 “abertas” nos provedores, como você pode ver no gráfico abaixo [linha azul].

imagecomo é que o problema está sendo tratado no brasil? como um belo exemplo de convivência entre o regulador [de fato e direito] de telecom e o articulador da internet.BR, o comitê gestor da internet brasil criado [tá lá na página do cgi.br]… pela Portaria Interministerial nº 147, de 31 de maio de 1995 e alterada pelo Decreto Presidencial nº 4.829, de 3 de setembro de 2003, para coordenar e integrar todas as iniciativas de serviços Internet no país, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados.

ou seja: o cgi.BR, legalmente, não manda na internet.BR; ao invés, coordena e integra as iniciativas de internet no país. e tem funcionado muito, muito bem, com o cgi.BR “recomendando” procedimentos aos agentes da rede, no brasil, ao invés de “determinando” que se faça, peremptoriamente, isso ou aquilo.

no caso da porta 25, o cgi.BR [CGI.br/RES/2009/001/P] emitiu uma recomendação técnica sobre o assunto há um ano, depois saiu pra convencer um monte de gente: iG e UOL, por exemplo, já migraram todos os seus usuários para os termos da recomendação e o TERRA está migrando agora. mais recentemente, como a recomendação envolve controle de acesso [autenticação de mensagens, no provedor] e restrição de tráfego [na operadora], o CGI.br negociou com a ANATEL uma carta do ministro sardenberg [da ANATEL] ao secretário augusto gadelha, do MCT e coordenador do cgi.BR, apoiando a recomendação explicitada pela resolução 2009/001 e sua implementação pelas operadoras.

as operadoras, que já são, e há tempos, os maiores provedores de acesso do país e estão no olho de qualquer furacão relacionado à internet, passam a se sentir seguras de que, ao implementar a CGI.br/RES/2009/001/P com o “apoio” da ANATEL, estão melhor escudadas contra eventuais reclamações [judiciais, inclusive] de spammers que venham a se sentir atingidos pelos impactos da “recomendação” do cgi.BR

tudo muito articulado, leve e digno das melhores cozinhas diplomáticas do planeta, como não poderia deixar de ser quando se leva em conta as instituições, tradições e personagens envolvidos. pra todos nós, é bom que seja assim e, mais ainda, que continue a ser assim no futuro. a rede e nós todos só temos a ganhar.

a pergunta que fica, sobre um episódio do passado recente e que pode muito bem se repetir em breve… é: será que a intervenção da ANATEL no caso speedy/telefônica não foi bem mais do que a agência deveria, ou melhor, poderia –inclusive legalmente- ter feito? afinal de contas, apesar de provido por uma operadora, speedy é um SVA, serviço de valor adicionado [veja o artigo 61 da LGT] e, por isso, não deveria ser regulado pela ANATEL. verdade que internet via ADSL está na regulamentação do SCM… mas que isso foi uma forçada de barra, foi.

e você diria: sim, mas se a ANATEL “não nos defender”, quem haveria de?… que tal os órgãos de defesa do consumidor? ou o CADE, que tem o papel de fiscalizar, prevenir e apurar abusos de poder econômico, dado que a maioria dos provedores de internet fixa detém algo muito perto de um monopólio em suas áreas geográficas? mas no brasil é sempre mais fácil pedir mais regras, mais burocracia, mais controle, ao invés de se exigir mais eficácia e eficiência dos mecanismos existentes.

até este blog, que defende, o tempo todo, menos buro- e burrocracia e complexidade, mais articulação e coordenação e menos regulação na sociedade, chegou bem perto de pedir que a ANATEL, lá no mesmo 2009, tratasse de intervir no seu provedor de ADSL. tudo bem que a situação por aqui era caótica; mas nada justificava ter pensado que a intervenção da ANATEL, neste tipo de caso, deveria ser algo corriqueiro.

não era. não é. e se for, algum dia, estaremos correndo o sério risco de ter trazido para a internet as amarras estruturais e conjunturais que atrasam e impedem, em muitos casos, inovação em telecom. abrir a porta pra regulação da pesada, na rede, é trazer o cartoon abaixo pra bem perto de casa… perto demais pra gente, sequer, querer contemplar o assunto. pra rede, vale o ditado latino: mutantur omnia nos et mutamur in illis. tudo muda e nós mudamos com o todo…

Por Terra Magazine/ Silvio Meira

 
Comentários desativados em internet: articulação e coordenação, ao invés de regulamentação

Publicado por em 14/04/2010 em Uncategorized

 

Tags:

 
%d blogueiros gostam disto: