RSS

Arquivo diário: 18/08/2010

Uma lição de sabedoria com o pensador que tinha consciência de sua própria ignorância

O filósofo grego Sócrates foi um dos poucos personagens históricos que mudaram os rumos do pensamento humano sem ter deixado uma única linha por escrito. Outros membros desse seleto clube são Buda e Jesus Cristo; ao contrário deles, Sócrates não fundou religião alguma, mas sua vida e personalidade estão até hoje cercadas por uma aura de mistério muito próxima à dos místicos e dos santos (no Islã medieval, aliás, ele era conhecido como o “profeta da Grécia antiga”). Considerado por alguns historiadores como o fundador da filosofia ocidental, ele é até hoje uma das figuras mais controversas e obscuras na história das ideias: tudo o que sabemos sobre ele é um punhado de fatos esparsos, relatados nas obras nada imparciais de seus fervorosos discípulos e seus igualmente entusiasmados detratores. O amor e o ódio a Sócrates, por sinal, são dois vetores constantes na história da filosofia: um jogo de veneração e repulsa que já rendeu muito arranca-rabo metafísico.
Grande parte do que sabemos sobre Sócrates está contido na obra de seu discípulo mais famoso, Platão – nos textos conhecidos como Diálogos, ele retratou as incansáveis discussões filosóficas entabuladas pelo mestre. Uma das questões mais espinhosas na história da filosofia é, precisamente, fazer a distinção entre o pensamento de Sócrates e o de seu discípulo-biógrafo. Contudo, por mais difícil que seja determinar o teor exato das ideias socráticas, o que ninguém nega é a importância descomunal do método de filosofar empregado por ele: a dialética ou, tirando em miúdos, a arte do diálogo. Para compreendê- la, é preciso dar uma olhadela no fascinante mundo em que Sócrates viveu e filosofou – a Grécia do século 5 a.C.

Quando Sócrates nasceu, por volta de 469 a.C., os gregos haviam acabado de derrotar a Pérsia – a superpotência expansionista da época – nas chamadas Guerras Médicas. O triunfo militar abriu as portas para um dos períodos mais férteis da civilização ocidental. Atenas se tornou senhora de um vasto império marítimo e centro de uma cultura efervescente. Por meio de uma série de reformas políticas, os atenienses aperfeiçoaram o sistema de governo que haviam adotado no século 6 a.C.: a democracia. A cada mês, os cidadãos com mais de 30 anos se reuniam em uma grande Assembleia para debater leis e escolher magistrados. Cada um tinha o direito de defender suas ideias em discursos públicos. Por isso, a arte de falar bem – para convencer, para dissuadir ou mesmo para engambelar – se tornou uma das ocupações favoritas entre os atenienses de todas as classes.

A arte do diálogo
É nesse contexto que surgem os sofistas – trupe de intelectuais itinerantes que, em troca de remunerações graúdas, ensinavam as manhas da retórica aos jovens atenienses com ambições políticas. Até então, a filosofia grega se ocupava principalmente de assuntos cosmológicos, como a natureza dos astros e a origem do universo. Os sofistas mudaram essa equação: para eles, o objeto da reflexão filosófica era o próprio homem. Foi um sofista chamado Protágoras quem cunhou uma das frases hoje utilizadas para descrever o espírito daquela época: “O homem é a medida de todas as coisas”. Outra grande inovação introduzida por eles foi o uso do diálogo como método de reflexão e persuasão. Até então, pensadores e políticos costumavam deslindar suas ideias em longos monólogos, emitidos do alto de tribunas, para audiências que podiam interferir apenas com aplausos ou apupos. Já os sofistas preferiam exibir suas habilidades lógicas e seus floreios argumentativos em debates cara a cara, em que dois ou mais interlocutores se digladiavam na defesa de ideias opostas. Esse método dinâmico e vivaz fez grande sucesso em meio à juventude ateniense, que acorria em pencas para assistir aos animados duelos de eloquência protagonizados por Protágoras e sua turma.

Em meio às entusiasmadas audiências dos diálogos sofistas, havia um sujeito pobretão, excêntrico e dono de uma feiura proverbial. Antes de ganhar celebridade como filósofo, Sócrates já era famoso como o maior esquisitão de Atenas. Filho de um escultor e de uma parteira, ele se dedicou por alguns anos ao ofício do pai. Mas, ao que tudo indica, o patrono da filosofia ocidental não era, digamos, um sujeito muito trabalhador. Sua principal ocupação era sondar a alma humana, e pouco tempo lhe restava para questões rotineiras, como ganhar a vida. Costumava andar pelas ruas de Atenas metido em roupas puídas, com as grandes barbas descabeladas e sempre perdido em reflexões. Às vezes, tinha acessos de abstração que pareciam loucura: em determinada ocasião, passou mais de 24 horas parado ao relento, entregue a alguma complexa ponderação metafísica. Também afirmava ouvir uma voz misteriosa que lhe ditava regras de conduta – entre outras coisas, esse estranho anjo da guarda teria proibido Sócrates de se envolver em política (para o filósofo, nenhum homem justo pode enveredar por esse escuro pantanal da atividade humana sem perder a alma ou a vida).

Sócrates aprendeu a filosofar assistindo às preleções dos sofistas, mas logo acabou se afastando dos antigos mestres. Com o tempo, o desgrenhado pensador compreendeu que o excesso de truques retóricos de seus concidadãos servia muitas vezes para ornamentar mentes vazias (qualquer semelhança com o universo acadêmico de hoje não é mera coincidência). Cheia de intelectuais falastrões e de políticos oportunistas, Atenas havia se tornado uma cidade excessivamente satisfeita consigo mesma – e Sócrates decidiu que caberia a ele fustigar a soberba de seus contemporâneos. Mas, para abraçar plenamente sua vocação à insolência, ele precisou de um empurrãozinho divino.

Quando confrontados pelos aspectos mais obscuros ou espinhosos da existência, os antigos gregos costumavam consultar os deuses (naquela época, não havia psicanalistas). Para isso, existiam os oráculos – locais sagrados onde os seres imortais se manifestavam, devidamente encarnados em suas sacerdotisas. Certa vez, talvez por brincadeira, um ateniense perguntou ao conceituado oráculo de Delfos se haveria na Grécia alguém mais sábio que o esquisitão Sócrates. A resposta foi sumária: “Não”.

Saber e não saber
O inesperado elogio divino chegou aos ouvidos de Sócrates, causando-lhe uma profunda sensação de estranheza. Afinal de contas, ele jamais havia se considerado um grande sábio. Pelo contrário: considerava-se tão ignorante quanto o resto da humanidade. Após muito meditar sobre as palavras do oráculo, Sócrates chegou à conclusão de que mudaria sua vida (e a história do pensamento). Se ele era o homem mais sábio da Grécia, então o verdadeiro sábio é aquele que tem consciência da própria ignorância. Para colocar à prova sua descoberta, ele foi ter com um dos figurões intelectuais da época. Após algumas horas de conversa, percebeu que a autoproclamada sabedoria do sujeito era uma casca vazia. E concluiu: “Mais sábio que esse homem eu sou. É provável que nenhum de nós saiba nada de bom, mas ele supõe saber alguma coisa e não sabe, enquanto eu, se não sei, tampouco suponho saber. Parece que sou um tantinho mais sábio que ele exatamente por não supor saber o que não sei”. A partir daí, Sócrates começou uma cruzada pessoal contra a falsa sabedoria humana – e não havia melhor palco para essa empreitada que a vaidosíssima Atenas. Em suas próprias palavras, ele se tornou um “vagabundo loquaz” – uma usina ambulante de insolência iluminadora, movida pelo célebre bordão que Sócrates legou à posteridade: “Só sei que nada sei”.

Para sua tarefa audaz, Sócrates empregou o método aprendido com os professores sofistas. Mas havia grandes diferenças entre a dialética de Sócrates e a de seus antigos mestres. Em primeiro lugar, Sócrates não cobrava dinheiro por suas “lições” – aceitava conversar com qualquer pessoa, desde escravos até políticos poderosos, sem ganhar um tostão. Além disso, os diálogos de Sócrates não serviam para defender essa ou aquela posição ideológica, mas para questionar a tudo e a todos sem distinção. Ele geralmente começava seus debates com perguntas diretas sobre temas elementares: “O que é o Amor?” “O que é a Virtude?” “O que é a Mentira?” Em seguida, destrinchava as respostas que lhe eram dadas, questionando o significado de cada palavra. E continuava fazendo perguntas em cima de perguntas, até levar os exaustos interlocutores a conclusões opostas às que haviam dado inicialmente – e tudo isso num tom perfeitamente amigável. Assim, o pensador demonstrava uma verdade que até hoje continua universal: na maior parte do tempo, a grande maioria das pessoas (especialmente as que se consideram mais sabichonas) não sabe do que está falando.

Para muitos ouvintes, o efeito do diálogo socrático era a catarse – uma experiência de purificação espiritual em que as portas do autoconhecimento se escancaram.

Deixando de lado a casca das ideias preconcebidas e os clichês, o discípulo estava pronto para a perigosa aventura de pensar por si mesmo. Às vezes, os argumentos desse conversador incansável eram tão azucrinantes que alguns ouvintes o atacavam no meio da rua, com chutes e pontapés. Perante tais indignidades, ele se limitava a responder com invulnerável ironia: “Não se costuma revidar contra os jumentos que nos escoiceiam”.

Tamanha independência de espírito pode ser algo bem arriscado – tanto na Antiguidade quanto hoje em dia. As patotas políticas não sabiam como lidar com aquele homem que questionava e irritava a todos com o mesmo sorriso de implacável gentileza, sem se deixar aliciar por ninguém. Em 399 a.C., seus desafetos conseguiram levá-lo a julgamento. O filósofo foi acusado de desrespeitar os deuses oficiais da cidade e de “corromper a juventude”: na prática, o que estava sob ataque era sua mania de fustigar a tudo e a todos sem pruridos. Ameaçado com a pena de morte, ele retrucou: “Ninguém sabe o que é a morte. Talvez seja, para o homem, o maior dos bens. Mas todos fogem dela como se fosse o maior dos males. Haverá ignorância maior do que essa – a de pensar saber-se o que não se sabe?” Com sua recusa a retratar-se perante a assembleia, o filósofo foi condenado a morrer por envenenamento. No dia de sua execução, reuniu- se com os amigos, trocou pilhérias e, naturalmente, entregou-se a discussões filosóficas. O carcereiro, ao lhe trazer a taça com cicuta, estava chorando. Mas Sócrates tinha os olhos secos. Bebeu o veneno como quem toma um remédio, despediu-se dos amigos com cavalheiresca tranquilidade e se esticou no catre, como se fosse dormir. E só então seu gênio insolente se calou.

O “vagabundo loquaz” de Atenas foi a primeira figura célebre na história do pensamento a morrer por suas ideias – e sua execução é um dos mitos fundadores da filosofia ocidental. A relevância de Sócrates, contudo, transcende o universo dos filósofos especializados ele se tornou, em grande medida, um modelo de conduta humana. Sua modéstia, numa época de vaidade intelectual, é um aviso aos navegantes de todos os séculos: por mais poder e desenvolvimento que uma civilização tenha atingido, o fato é que, no fundo, continuamos todos humanamente estúpidos. E a negação de nossa própria estupidez pode nos transformar em monstros. Escapar à ignorância congênita da espécie é possível, sim – mas essa é uma tarefa que não se realiza sozinho. A verdade (se é que ela existe) só pode surgir pelo confronto direto e implacável (mas sempre amigável) entre duas ou mais criaturas racionais. Pensar por si mesmo e a si mesmo, olhando no espelho do outro: eis a lição aparentemente simples, mas hoje tão esquecida, legada por uma das figuras mais intrigantes na história da humanidade.

Sócrates
Um dos fundadores da filosofia ocidental, o pensador morreu em 399 a.C. Como Buda e Cristo, que não deixaram escritos, Sócrates é conhecido hoje pelos textos de seus discípulos

Por Vida Simples

Anúncios
 
Comentários desativados em Uma lição de sabedoria com o pensador que tinha consciência de sua própria ignorância

Publicado por em 18/08/2010 em Uncategorized

 

Tags:

O horário eleitoral gratuito, com início nesta terça-feira, 17, representa o momento mais importante na estratégia de marketing dos candidatos à presidência

Desde o início da corrida eleitoral, em 6 de julho, três dos nove candidatos à Presidência mobilizam a atenção da mídia: Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV). Nesse tempo, eles já estiveram em um debate e sabatinas, mas os estrategistas de marketing político cravam: a campanha começa para valer agora. Nesta terça-feira, 17, a propaganda eleitoral ganha rádio e TV.

O presidente da Associação Brasileira de Consultores Políticos, Carlos Manhanelli, afirma que o investimento de produção de TV e rádio gira entre 58% e 60% do valor total da campanha. Tal montante engloba custos da produção em si, da equipe e até de construção de cenários.

Na opinião de Toni Cotrim, consultor de marketing político e que atua na área desde 1986, a campanha só dá largada quando entra o horário eleitoral na TV. O início dessa fase, inclusive, é um dos momentos mais tensos para as equipes dos candidatos. “Nesse começo, há uma expectativa muito grande, de todos os lados. De longe, a campanha na TV é a parte mais importante da estratégia”, explica.

Com os tempos na TV de cada candidato definidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – leia mais aqui -, já se pode dimensionar o tamanho do desafio que os presidenciáveis têm pela frente. Dilma tem maior exposição tanto em relação aos blocos apresentados na TV (às 13h e às 20h30) quanto no total de inserções na grade. A candidata terá mais de dez minutos no bloco e soma pouco mais de dois minutos e meio com comerciais.

Conforme declarado ao TSE, o orçamento previsto pelo PT para a campanha é de R$ 157 milhões. Se 60% dessa verba for para a produção de TV, áudio e vídeo, o budget será de R$ 94,2 milhões. Na primeira prestação de contas feitas ao TSE, com valores já pagos (isso não significa quanto foi aplicado até o início de agosto, data da primeira divulgação), a campanha indica que foram desembolsados R$ 4,5 milhões com a produção.

O investimento total na área não foi revelado. O que se conhece é que a estrutura da campanha da petista nessa parte envolve quase 200 profissionais de diversas áreas. Um dos integrantes desse time é Alexandre Okada, coordenador de criação de comerciais, que entrou para o grupo em julho, a convite de João Santana, o estrategista de marketing. “Em uma campanha, a velocidade de ação e a fluência entre estratégia, captação de informação, execução criativa e produção são fundamentais. Assim, a estrutura é quase uma fusão entre agência de publicidade, central de jornalismo, produtora de som, imagem, eventos e de animação. Tudo in house. Temos estúdios de filmagem, de som, ilhas de montagem e finalização”, conta o ex-vice-presidente de criação da McCann Erickson.

A coligação que apoia José Serra não informou planos ou estratégias para a produção na TV, mas a campanha tem o maior orçamento previsto, segundo o TSE. O total calculado é de R$ 180 milhões. Na primeira prestação de contas, o montante pago até o momento é zero.

Sobre o teor das campanhas na TV, o que se aventa nos bastidores é que a propaganda eleitoral deverá explorar a biografia e a experiência do candidato tucano, que provavelmente enfrentará a estratégia de Dilma em salientar os feitos do governo e do presidente. “A grande celebridade da corrida eleitoral é mesmo Lula”, comenta Manhanelli.

Cercado de segredo quanto à propaganda eleitoral na TV, o PV pode colocar personalidades que apoiam Marina Silva em sua programação. O orçamento previsto pelo partido para a campanha é de R$ 90 milhões. O diretor de cena Celso Yamashita disse apenas à reportagem que o programa pretende surpreender. Comenta-se que o programa de Marina poderá chamar o eleitor a saber mais pela internet, já que a ex-ministra tem direito a apenas 1min23s22 de exposição. As campanhas de Serra e Marina não deram retorno à reportagem para dar mais esclarecimentos.

Recursos pagos

Confira abaixo o que já foi pago pelas candidaturas de Dilma, Serra e Marina, de acordo com a primeira prestação de contas feitas ao TSE. A de Dilma inclui valores até 3 de agosto. A de Serra e Marina são válidas até 2 de agosto. A relação dos gastos envolve diversos fornecedores. O que está relacionado são itens dentro do total divulgado.

Dilma – total de despesas pagas – R$ 9,560.154,38.
Entre esses gastos, estão: publicidade por materiais impressos, com R$ 5.192,50, e produção de programas de rádio, TV ou vídeo, com R$ 4,5 milhões.

José Serra – total de despesas pagas – R$ 2.593.501,81.
Entre esses gastos, estão: publicidade por materiais impressos, com R$ 472.593,60, e produção de programas de rádio, TV ou vídeo, com R$ 0,00.

Marina Silva – total de despesas pagas – R$ 3.470.250,65.
Entre esses gastos, estão: publicidade por materiais impressos, com R$ 1.078.180,00, e produção de programas de rádio, TV ou vídeo, com R$ 1.325.835,90.
Por MMonline

 

Tags:

 
%d blogueiros gostam disto: