RSS

Arquivo da tag: redes sociais

Breaking through the boundaries

Marketers believe Latin America is on the cusp of transformations that will reshape its consumer markets for years to come.
Latin America is urban and young, with over 370 million people aged 35 years and under, and it is increasingly technologically sophisticated, says Carlos José Fonseca, vice president of International Markets Strategy at MasterCard Worldwide.
Access to cell phones is already on par with US parameters, and education levels are rising as economic conditions improve.
“The overall implication of this, in terms of consumer behaviour, is a dynamic and better-informed consumer, with higher expectations and emerging and demanding needs that constitute a significant business opportunity,” says Fonseca.
This dynamism challenges companies’ decision making and market research’s role in shaping strategy. The flows of data may be there, but the discernment to sift them in large quantities and in a value-adding manner does not come easily, says Fonseca. Marketers must constantly make difficult decisions about priorities and choose specific problems that they wish to solve.
“The challenge of being a better listener in this day and age is greater than ever,” he says. “Reacting quickly and efficiently is important, but it is even more important to pick your battles.”
Rational consumers
Gone are the days when LatAm consumers could be relied upon to maintain brand loyalty out of simple familiarity and well-worn emotional attachments.
The region’s shoppers have now become hyperaware of cost-benefit, regardless of their income levels, and are increasingly concerned with issues such as nutrition, environmentalism, charitable causes, and corporate social responsibility, according to Paloma Altolaguirre, corporate manager, market intelligence, at Mexico’s Grupo Gruma.
“After suffering the impact of the recent economic crisis, consumers will no longer ‘give away’ their money, and there’s no turning back on that,” says Altolaguirre. “For many more years, despite a recovery in their purchasing power, the consumer will continue to be cautious with their money.”
Not only that, but consumers have also become more concerned about saving time and shopping efficiency, she adds. Other concerns have become more important too, including security, since crime lingers as a key problem in many countries.
“That feeling of safety and security which organised commerce can often offer the consumer has become a factor in shopping decisions,” says Altolaguirre, “and has boosted the growth of retail businesses and represents a huge opportunity for emotional brands to establish a bond.”
Of course, on the other hand, for market researchers, security worries and concern about time-saving have meant a plummeting survey response rate.
But perhaps the overriding factor shaping consumer behaviour is the relatively positive performance of the region’s economies in the last decade, even as financial crises enveloped Europe and the US. That trend is especially pronounced in Brazil, which this year became the world’s sixth-largest economy. Brazilian consumers are beginning to plan their futures around an expectation of stability and upward mobility.
“Brazil is the great engine leading the region in terms of positivity and progress,” says Pablo Kennedy, global and Latin America knowledge and insights director at The Coca-Cola Company. “Brazilians are optimistic. People believe they are going to be better off in the future and that makes a big difference in their spending habits.”
This attitude means Coca-Cola’s consumers, even as they rebalance household budgets, are looking beyond the basics and demanding choices in tune with their new lifestyles. With larger incomes and more access to information, they’re looking to purchases with more value added, such as fruit juices. “Latin Americans are gaining access to a greater breadth of product categories,” he adds.
Fast-paced marketplace
If LatAm’s consumer markets ever felt slow paced, that day is definitely now past. Marketers report constant pressure to gain an edge on competitors, as well as bottom-up pressure from consumers for products that offer solutions to life’s challenges.
This competitive atmosphere, at its best, generates a virtuous cycle in which competition spurs innovations, and these in turn lead to quality of life improvements. “There’s a more aggressive attitude on the part of market participants, and much more is offered, which generates benefits to the consumer, since in the course of our search for their preferences we’re constantly offering better products and at a better price,” says Altolaguirre.
Companies have also become more sensitive to their role in countries’ social progress. As the region’s citizens become more knowledgeable about the business world and aware of their own clout as consumers, they evaluate marketers differently.
Many companies have commissioned market research to learn more about countries’ emergent middle classes, as well as “base of the pyramid” (BOP) poorer consumers. These segments offer a business opportunity, but marketers are also aware they have responsibilities in terms of easing these new participants’ entry into the consumer space.
Thus, MasterCard is promoting financial education to drive a world beyond cash and further empower lower-income consumers, while also producing technology to make payments safe and simple at the BOP. It also exchanges expertise with nonprofits such as the microfinance specialists Grameen Foundation and PlaNet Finance important for gaining a richer picture of reality.
Says Fonseca, of MasterCard, “we believe upward social mobility is a key trend and we want to contribute to it. We are continuously exploring new technologies to better serve the bottom of the pyramid and empower consumers in general.”
As challenging as LatAm has become, and diverse as it is, one rewarding facet of working there is that messages carry well across countries, if the tone of communication is fine-tuned for different contexts.
“Not only do we find that many values are universal, but in LatAm these values are generally shared,” says Coca-Cola’s Kennedy. “Insights generally are applicable across the region.”
What’s certain is that the region’s advertisers are boosting spending. According to ESOMAR’s last global survey, “Global Market Research 2011,” marketers spent well over US $16.8 billion to advertise in the region in 2010, the last year for which complete data is available (the figures exclude Colombia, Mexico and some smaller markets). That represents a 23% increase over the 2009 spend. Over US $10.5 billion was spent in the Brazilian market alone.
New demands
But growth does not come without friction. Marketers worry researchers are not always keeping pace with new pressures, and they suggest that in many instances agencies remained attached to old models for doing business.
Suzana Pamplona, global strategic insight director at Johnson & Johnson, wants to know why it is that the wide availability of new technologies hasn’t speeded up the delivery of quantitative survey results.
Some agencies are still working with the same old deadlines for some types of research,” says Pamplona. “Even considering all the electronic smart devices, mobile and online, we still have to wait 8 to 12 weeks for more complex quantitative research.”
There are also opportunities in how data collected online is processed, argues Pamplona. She says this analysis is being done mostly according to highly systematised metrics – flagging comments as negative, neutral, or positive, for example – without enough attention paid to other methods for parsing the rich data generated by online interactions.
“There is a great deal of room for a more customised analysis of all this already-quantified data,” she says
Finally, Pamplona believes a technocratic culture lingers in parts of the research industry, which has prevented it from being more proactive in innovating, guiding users of research and re-framing the information available.
Researchers should not be afraid to recommend concrete business decisions, Pamplona believes, or to play the role of strategic consultants or knowledge curators, or to “have an opinion and ultimately also be accountable for that decision. Insights are not for psychological comfort. We need to turn insights into actions.”
Kennedy, of Coca-Cola, agrees that many providers have remained mired in the now-baseline practice of producing research reports and data, and not going much further than that. On the whole, in LatAm, he sees the larger research outfits as slow to understand that clients expect more. “The smaller companies have managed to adapt more quickly and more effectively,” he says. “Number crunching is no longer enough.”
As an example of what the new market research provider-client relationship could look like, Kennedy draws an analogy with the constant feedback relationships between companies and consumers on social media. (Coca-Cola, for example, has a Facebook page with over 40 million “likes.”)
Too many research agencies, says Kennedy, think the relationship with the client is about meeting a deadline, and then simply waiting for the next call.
“Today we’re in a constant dialogue with the consumer. And just as that relationship does not come to an end, our relationship with the research agencies shouldn’t come to a conclusion. The relationship is not just about delivering projects. It should be an ongoing flow of conversation. There are very few research providers that seem to understand that – I can count them on one hand – and I think there’s a great opportunity there.”
New methodologies
LatAm market research has definitely not lagged in absorbing all the available methodologies. Regional researchers deploy techniques such as neuroscience, social media research, mobile, ethnography and online consumer innovation groups.
Pamplona, of Johnson & Johnson, sees a common denominator to many of these new approaches. They allow for market research that does not disturb the day-to-day reality of the multitasking, on-the-go consumer as a typical face-to-face or phone survey might.
“If the new technologies are allowing more of this, we have to embrace them,” she says, “being careful of course to maintain our ethics and how we deal with consumer privacy.”
Some methodologies are better adapted to certain products and markets. Grupo Gruma, a multinational maker of tortillas, chips, flatbreads and flours, has experimented with neuroscience but has yet to find a concrete application for this approach, says Altolaguirre. Gruma has applied online consumer innovation groups only in Australia, the US and the UK, where the company markets more value-added products, but not elsewhere.
Fonseca, of MasterCard, acknowledges that innovative methodologies are important but argues that research should not lose sight of its ultimate goal: delivering new and better services to consumers.
To that end, he says, there should be a search for methodologies that improve data collection and interactions with respondents, “but equally important is to develop analytical processes to derive incremental knowledge from that information, and put it into actions that better serve those consumers.”
“Ultimately, for us in Latin America and around the world the challenge is to have the proper insight that enables more precise development of products and services,” adds Fonseca. “We do this by leveraging our technology and by continuing to innovate, and evolving our research capabilities.”
This approach, focused on results, was a common thread in the opinions of the marketers, some of whom proposed a greater emphasis on pay-for-performance schedules for research. All said they would welcome a closer, more consultative partnership with researchers, and desired that researchers better understand the ins and outs of their business.
“This is key to focus research, so that it ultimately generates a bottom-line impact,” says Fonseca.
Carlos Jose Fonseca is Vice President of International Markets Strategy at Mastercard Worldwide, Pablo Kennedy is Global and Latin America Knowledge and Insights Director at The Coca-Cola Company, Suzana Pamploma is Global Strategic Insight Director at Johnson & Johnson, Paloma Altolaguirre is Corporate Manager Market Intelligence at Grupo Gruma.

Anúncios
 

Tags: , , , , , , ,

O uso das redes sociais ainda é ingênuo no Brasil

 

Tags: , , ,

A verdadeira utopia

Para dar conta das necessidades de transformações na sociedade, é preciso ir além do iamginado por Marx e não temer radicalizar a atualizar suas noções de proletariado e comunismo.

Para instaurar uma forma diferente de funcionamento do poder, que vá além dos limites da democracia representativa, permanecer el à ideia comunista não é su ciente. Devem ser localizados, na realidade histórica, os antagonismos que fazem dessa ideia uma urgência prática. Deve-se, em primeiro lugar, transformar de maneira crítica os aparatos conceituas de Marx. Por causa de sua negligência quanto à dimensão social do a general intellect, Marx não vislumbrou a possibilidade de privatização do próprio general intellect – é isto que está no coração da batalha pela “propriedade intelectual”. Nisso a Negri está certo: sob esse ponto de vista, a exploração no sentido marxista clássico não é mais possível – e é por isso que ela tem de ser reforçada, cada vez mais, por medidas legais diretas, ou seja, por uma força não econômica. É por isso que hoje a exploração assume cada vez mais a forma de uma renda. Como a rma Carlo Vercellone, o capitalismo pós-industrial é caracterizado pelo “tornar-se renda do lucro”. E é por isso que a autoridade direta é necessária. É preciso impor as condições legais (arbitrárias) para que se extraia a renda, condições que não são mais “espontaneamente” geradas pelo mercado.

Talvez aqui resida a “contradição” fundamental do capitalismo “pós-moderno” contemporâneo. Enquanto sua lógica é desreguladora, “antiestatal”, nomática/desterritorializante etc., a tendência principal do “tornar-se-renda-dolucro” assinala um fortalecimento do papel do Estado, cuja função (não somente) reguladora é mais e mais onipresente. Desterritorialização dinâmica coexiste com e se apoia mais e mais em intervenções autoritárias do Estado e seus aparelhos legais (e outros). O que é possível discernir no horizonte do nosso porvir histórico é, assim, uma sociedade em que liberalismo pessoal e hedonismo coexistem com (e são sustentados por) uma complexa rede de mecanismos estatais regulatórios. Longe de desaparecer, o Estado está se fortalecendo.

Em outras palavras, quando, devido ao papel crucial do general intellect (conhecimento e cooperação social) na criação da riqueza, formas de riqueza estão mais e mais “fora de quaisquer proporções com o tempo de trabalho direto envolvido em sua produção”, o resultado não é, como Marx parece esperar, a autodissolução do capitalismo, mas a transformação gradual e relativa do lucro gerado pela exploração da força de trabalho em renda apropriada pela privatização do general intellect. Tomemos o caso de Bill Gates. Como ele se tornou o homem mais rico do mundo? Sua riqueza não tem nada a ver com os custos de produção dos produtos vendidos pela a Microsoft (podese até mesmo argumentar que a Microsoft está pagando a seus trabalhadores intellectuais um salário relativamente alto), isto é, a riqueza de Gates não é resultado de seu sucesso em produzir bons softwares por preços mais baixos do que seus competidores, ou com uma maior “exploração” dos trabalhadores intelectuais con tratados. Fosse esse o caso, a Microsoft já teria ido à falência há muito tempo. As pessoas teriam aderido em massa a programas alternativos e gratuitos, como o a Linux – que, de acordo com especialistas, possui melhor desempenho do que os programas da Microsoft .

Por que, então, milhões de pessoas ainda compram produtos da Microsoft ? Porque a Microsoft se impõe como um padrão quase universal, (quase) monopolizando o mercado, uma espécie de encarnação do general intellect. Gates se tornou o homem mais rico do mundo em algumas décadas apropriando-se da renda cobrada pela permissão, dada a milhões de trabalhadores intelectuais, de participar da forma de general intellect que ele privatizou e controla. É verdade, então, que os trabalhadores intelectuais de hoje não estão mais separados das condições objetivas de seu trabalho (eles possuem seu próprio PC etc.), o que seria, em Marx, a descrição da “alienação” capitalista? Sim, mas, mais fundamentalmente, não. Eles foram mutilados do campo social de seu próprio trabalho, do general intellect – que por sua vez é mediado pelo capital privado.

E o mesmo acontece com os recursos naturais. Sua exploração é uma das maiores fontes de renda hoje em dia, acompanhada pela luta por quem irá controlar essa renda, as populações do Terceiro Mundo ou as corporações ocidentais. A ironia suprema é que, para explicar a diferença entre força de trabalho – que, em seu uso, produz mais-valia sobre seu próprio valor – e outras mercadorias – cujo valor é simplesmente consumido em seu uso, sem envolver exploração -, Marx menciona como exemplo de mercadoria “comum” o petróleo, a mesma mercadoria que hoje é a fonte de extraordinários “lucros”. Aqui também não faria sentido vincular os aumentos e as quedas do preço do petróleo à exploração do trabalho – o custo de produção é negligenciável, o preço que pagamos pelo petróleo é a renda que pagamos aos proprietários desses recursos por sua escassez e oferta limitada.

ZIZEK NO BRASIL

Nascido na pequena Eslovenia, então pertencente a extinta República Socialista Federativa da Iugoslávia, o filósofo, sociólogo e psicanalista Slavoj Zizek despontou como um dos pensadores capazes de renovar a teoria marxista no final da década de 1980. Sua mescla de psicanálise lacaniana, marxismo revigorado e crítica cultural ganhou força na década seguinte, primeiro no Leste Europeu, depois por toda a Europa e teve, enfim, forte impacto em outros continentes. Antes, no ano de 1990, candidatou-se à presidência da Eslovênia pelo Partido Liberal Democrático, agremiação que reunia feministas, minorias, pensadores alternativos, artistas, ecologistas e dissidentes da ortodoxia comunista em geral (a vitória naquele pleito foi do advogado e ex-militante do PC esloveno Milan Kucan).

A recepção às ideias de Slavoj Zizek no Brasil iniciou-se pela via academica no final dos anos 1990. Após o atentado de 11 de setembro de 2001, os intelectuais de esquerda renovadores e criativos voltaram a ser notados para além dos centros de estudo. Seus artigos, livros e entrevistas chamaram a atenção dos leitores brasileiros. Em 2008, Zizek participou do programa Roda Vida, da TV Cultura, retransmitido para outras emissoras públicas do país. Sua fala rápida, seus gestos repletos de tiques e movimentos tensos compõem a personalidade carismática e curiosa do pensador esloveno.

O que é possível discernir no horizonte do nosso porvir histórico é, assim, uma sociedade em que liberalismo pessoal e hedonismo coexistem com (e são sustentados por) uma complexa rede de mecanismos estatais regulatórios. Longe de desaparecer, o Estado está se fortalecendo.

1 BEM-VINDO AO DESERTO DO REAL! (2003)
“Com essa esquerda, quem precisa de direita?” Tendo como mote essa frase provocativa, Slavoj Zizek analisa, em cinco ensaios, os acontecimentos e as consequências dos atentados ao World Trade Center e ao Pentágono no dia 11 de setembro de 2001. A tentativa do filósofo esloveno é despertar a esquerda para uma nova atitude, inventiva e contudente, para recuperar o terreno perdido e colocar-se como alternativa à ordem hegemônica, representada pelos EUA, consolidada após a queda do Muro de Berlim (1989) e o fim da União Soviética (1991). Para tanto, é preciso não cair nas falácias da ideologia, das falsas polaridades e do “deserto do real”.

Antagonismo e Protagonismo Global

A única questão verdadeira hoje é: o capitalismo global contém antagonismos fortes o suficiente para impedir sua reprodução indefinida? Existem, penso eu, quatro desses antagonismos: a ameaça iminente de uma catástrofe ecológica, o caráter inapropriado da propriedade privada para designar a chamada “propriedade intelectual”, as implicações socioéticas dos novos desenvolvimentos tecnocientíficos (especialmente na biogenética) e, por último, mas não menos importante, as novas formas de apartheid, os novos muros e as favelas. Há uma diferença qualitativa entre este último aspecto, a lacuna que separa os excluídos dos incluídos, e os outros três, que designam os domínios daquilo que Hardt e Negri chamaram de “comuns”, a substância partilhada do ser social cuja privatização é um ato violento a que se deve resistir, igualmente, com meios violentos, se necessário:

* os comuns da cultura, as formas imediatamente socializadas de capital “cognitivo”, primariamente a linguagem, nosso meio de comunicação e educação, mas também a infraestrutura comum do transporte público, da eletricidade, dos correios etc. (se o monopólio fosse permitido a Bill Gates, chegaríamos à situação absurda em que um único indivíduo seria literalmente dono da tessitura, do software de nossa rede básica de comunicação);

* os comuns da natureza externa ameaçados pela poluição e exploração (do petróleo às florestas e habitats naturais);

* os comuns da natureza interna (a herança biogenética da humanidade): com a nova tecnologia biogenética, a criação do novo homem, no sentido literal de mudar a natureza humana, se torna uma perspectiva realista.

O que todas essas lutas têm em comum é a preocupação com os potenciais destrutivos, inclusive a autoaniquilação da própria humanidade, se fosse dada carta branca à lógica capitalista de enclausuramento desses comuns. Nicholas Stern estava correto em caracterizar a crise ambiental como “o maior fracasso do mercado na história da humanidade” (Revista Time, 24/12/2007). Então, quando Kishan Khoday, um líder de equipe da ONU, escreveu recentemente que “existe um espírito crescente de cidadania ambiental global, um desejo de fazer da mudança do clima uma questão de preocupação comum de toda a humanidade”, deve-se dar toda ênfase nos termos “cidadania global” e “preocupação comum” – a necessidade de estabelecer uma organização e um engajamento plítico globais que, neutralizando e canalizando os mecanismos de mercado, representem uma perspectiva propriamente comunista.

2 A VISÃO EM PARALAXE (2008)
Considerado sua obra teórica mais densa, A Visão em Paralaxe sintetiza as questões e o repertório teórico de Zizek. O próprio significado da palavra “paralaxe” é complexo (e tomado emprestado da astronomia). Segundo o Houaiss, paralaxe é o “deslocamento aparente de um objeto quando se muda o ponto de observação”. Jacques Lacan, Karl Marx e G. W. F. Hegel estão entre as referências do filósofo, que mesmo num trabalho de fôlego – 512 páginas na edição brasileira – não deixa de lado seu estilo de associar psicanálise, marxismo e filosofia a análise de fenômenos das artes. literatura, cinema e da cultura de massa.

A única questão verdadeira hoje é: o capitalismo global contém antagonismos fortes o su ciente para impedir sua reprodução inde nida? Existem, penso eu, quatro desses antagonismos: a ameaça iminente de uma catástrofe ecológica, o caráter inapropriado da propriedade privada para designar a chamada “propriedade intelectual”, as implicações socioéticas dos novos desenvolvimentos tecnocientíficos (especialmente na biogenética) e, por último, mas não menos importante, as novas formas de apartheid, os novos muros e as favelas.

É essa referência aos “comuns” que justi- ca ressuscitar a palavra comunismo. Ela nos permite ver o “enclausuramento” em marcha dos comuns como um processo de proletarização daqueles que estão, assim, excluídos de sua própria substância. A situação histórica de hoje não só não nos compele a abandonar a noção de proletariado, da posição do proletariado; ao contrário, ela nos compele a radicalizá-la a um nível existencial para além da imaginação de Marx. Necessitamos de uma noção mais radical do sujeito proletário, um sujeito reduzido a um ponto evanescente do cogito cartesiano, privado de seu conteúdo substancial.

Por esa razão, a nova política emancipatória não será mais o ato de um agente social particular, mas uma explosiva combinação de diferentes agentes. O que nos une é que, em contraste com a clássica imagem dos proletários que não tem “nada a perder senão seus grilhões”, corremos o perigo de perder tudo. A ameaça é que sejamos reduzidos a um sujeito cartesiano abstratamente vazio, desprovido de todos os conteúdos substanciais, desapropriado de substância simbólica e com a base genética manipulada, condenado a vegetar num meio ambiente inabitável. Essa tripla ameaça a totalidade de nosso ser nos torna, de certo modo, todos proletários, reduzidos à “subjetividade sem substância”, como Marx a rma nos Grundrisse. O desa o ético-político é reconhecermos a nós mesmos nessa gura – de certa forma, todos nós somos excluídos, tanto da natureza como de nossa própria substância simbólica. Hoje somos todos potencialmente Homo sacer, e a única forma de evitar que nos tornemos um é atuando preventivamente.

3 LACRIMAE RERUM (2009)
Lacrimae rerum: ensaios sobre cinema moderno reúne ensaios do autor sobre cinema no quais questiona os cineastas, mesmo aqueles ligados ao “cinema crítico”, de “conceder legitimidade ideológica ao real”, a partir das imagens e históricas com um “panorâma estático” da realidade. Entre os filmes e diretores examinados nos ensaios estão o russo Andrei Tarkovski (1932-1986), diretor de Solaris (1972), o polonês Krzysztof Kielowski (1941-1996), de A Triologia das Cores (1993-1994), e os irmãos de Chicago (EUA) Andy e Larry Wachowski, realizadores da trilogia Matrix (1999-2003).

Comunismo é hoje não o nome da solução, mas o nome do problema, o problema dos comuns em todas as dimensões – os comuns da natureza como a substância de nossa vida, o problema de nossa biogenética comum, o problema de nossa cultura comum (“propriedade intelectual”) e, por último, mas não menos importante, diretamente o problema dos comuns como espaço universal da humanidade, do qual ninguém deveria ser excluído. Isso porque, como colocou Linera, nosso horizonte tem de permanecer comunista – horizonte não como um ideal inacessível, mas um espaço mental no qual nos movemos. Isso é impossível? Nossa resposta deveria ser o paradoxo que retorna ao ponto que começamos: a Soyons realistes, demandons L’impossible . A verdadeira utopia hoje é a de que seremos capazes de resolver nossos problemas com transformações modestas no sistema existente. A única opção realista é fazer o que parece impossível nesse sistema.

4 EM DEFESA DAS CAUSAS PERDIDAS (2011)
O que podemos aprender com as causas perdidas? Qual o legado das utopias passadas? É possível atualizá-las ou, ao menos, usá-las como exemplos do que fazer e não fazer em novas formas de ação transformadora? Essas são perguntas que Slavoj Zizek procura responder neste livro cujo título é autoexplicativo: Em Defesa das Causas Perdidas. Para fazer essa reconstituição histórica a serviço da fi losofi a – e da prática política -, Zizek mobilizou pensadores do porte de Lacan, Marx (sendo a psicanálise e o marxismo “teorias de luta”, Heidegger e Foucault.

Lembremos da de nição surpreendentemente relevante de Paulo* sobre uma luta emancipatória: “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes /kosmokratoras/ das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”. Ou, traduzindo em nossa linguagem de hoje: “nossa luta não é contra indivíduos corruptos concretos, mas contra todos aqueles no poder em geral, contra sua autoridade, contra a ordem global e a misti cação ideológica que a sustenta”. Se engajar nessa luta signi ca endossar a fórmula de Badiou, mieux vaut un desastre qu’un desètre, melhor assumir o risco e se engajar na delidade ao evento-verdade, mesmo que essa delidade termine numa catástrofe, do que vegetar na sobrevivência hedonista- utilitarista sem-eventos daquilo que Nietzsche chamou de último homem. O que devemos rejeitar é a ideologia liberal-vitimista que reduz a política a evitar o pior, a renunciar de todos os projetos positivos e perseguir a opção menos ruim – ou, como notou amargamente Arthur Feldmann, o escritor judeu vienense, o preço que usualmente pagamos para sobreviver é a própria vida.

5 PRIMEIRO COMO TRAGÉDIA, DEPOIS COMO FARSA (2011)
Escrita em o dezoito de brumário de Luis Bonaparte, a máxima “a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa” é uma das mais emblemáticas frases de Karl Marx. Em Primeiro como Tragédia, Depois como Farsa, o fi lósofo esloveno utiliza o termo de Marx como gancho para analisar o mundo contemporâneo que seria uma nova etapa do capitalismo global, no qual os discursos políticos que são aceitos num primeiro momento (11/9) são rejeitados adiante (crise fi nanceira de 2008). A democracia liberal, celebrada por Francis Fukuyama após a queda do Muro de Berlim, sofreu na última década um duplo golpe – político-ideológico (2001) e econômico (2008).

Por Filosofia/Slavoj Zizek nasceu na cidade de Liubliana, Eslovênia, em 1949. é filósofo, psicanalista e um dos principais teóricos contemporâneos.

 
Comentários desativados em A verdadeira utopia

Publicado por em 14/09/2011 em Uncategorized

 

Tags: , , , ,

A internet muda os paradigmas da relação entre comunicação e poder. Entrevista com Manuel Castells

O catedrático, que vive viajando entre a Espanha, os EUA e a França, analisa, em seu último livro, como a Internet tem mudado os paradigmas da relação entre comunicação e poder. O novo livro de Manuel Castells intitula-se Comunicación y poder (Alianza Editorial) e tem mais de 600 páginas. Sobre seu conteúdo, sobretudo de Internet, falamos com ele.

A entrevista é de Juan Cruz e está publicada no jornal El País, 17-11-2009. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

Quero perguntar-te sobre a solidão. Lendo o teu livro, há momentos em que pensei nisso. De saída, há um novo instrumento que se parece com o rádio em sua ubiquidade. O rádio foi o grande elemento que atenuou a solidão das pessoas. A internet veio para curá-la?

A resposta é diretamente sim. Não a elimina. Se alguém se encontra sozinho, se encontrará menos sozinho com a internet, mas se encontrará sozinho. Aí temos dados duros, são das coisas que sabemos. Temos dados duros do meu próprio estudo sistemático sobre a Catalunha há 5, 4, 3 anos, com análises de amostras representativas da população – 3.000 pessoas – em que isso está claro.

Analisamos os que tinham internet e os que não a tinham. Claramente, o uso da internet favorece a sociabilidade, diminui o sentimento de alienação e o que poderíamos chamar de sentimento de estar isolado. Por um lado, são pessoas mais sociáveis, mas, além disso, o sentimento de isolamento também diminui com o maior uso da internet.

A internet, ao contrário do que sempre se disse nos meios de comunicação, não é um instrumento que deixa as pessoas sozinhas com o seu computador, mas que, ao contrário, é cumulativo. Quanto mais sociável alguém é, mais utiliza a internet; quanto mais utiliza a internet, mais desenvolve a sociabilidade e tem menos sentimento de isolamento. Isso se reflete neste estudo. Todos os estudos realizados, em particular o World’s internet service, que foi feito com painéis a cada três anos nos últimos 10 anos, mostra a mesma realidade. Tudo vai na mesma direção. A internet é um instrumento para combater a solidão. Não para aumentá-la.

E o abuso não cria nas pessoas a ideia de que a vida está ali e não na rua? Não nos prende à cadeira da internet?

Os dados mostram justamente que quanto mais sociável, mais internet; quanto mais internet, mais sociável. Mais sociável quer dizer que as pessoas que utilizam a internet têm mais amigos, saem mais frequentemente, participam mais politicamente, têm maiores interesses e atividades culturais… Está comprovado inclusive por níveis sociais. Portanto, não. Empiricamente, a resposta é claramente não. A internet expande o mundo.

Aí surge outra pergunta: o que acontece quando passas toda a vida na internet, fechado na tua casa? Acontece a mesma coisa que quando jogas um videogame ou lês um livro na tua casa 15 horas seguidas por dia. Se há gente assim, a internet não vai solucionar o seu problema. É um instrumento que amplia o mundo em vez de encolhê-lo, empiricamente.

O que a internet te proporcionou?

Fundamentalmente, a capacidade de pesquisar da maneira que nunca pude fazer. A capacidade de estar informado ou de poder estar informado simultaneamente em que as coisas acontecem no mundo, do que aconteceu no mundo ou do que aconteceu há cinco mil anos. Na internet temos a capacidade de acessar todas as informações e todas as expressões culturais produzidas no planeta desde que o mundo é mundo.

Para um pesquisador, a internet é preciosa porque em grande medida não necessitas de biblioteca. Para os pesquisadores em ciências sociais, mas também para os pesquisadores de outras áreas, o fundamental é poder acessar as pesquisas mais recentes. Acabei as pesquisas sobre o meu livro há um ano e o imprimiram rapidamente, mas mesmo assim demorou. Um pesquisador necessita estar a par do que acontece em cada momento, tanto nas ciências sociais como em qualquer outro tipo de ciência porque as mudanças científicas são tão rápidas que podes estar repetindo coisas sem sabê-lo.

Agora, com a internet, se sabes onde buscar – o que é a grande condição – e o que buscar, podes estar sempre atualizado.

Segunda coisa. Me permitiu estar em comunicação ininterrupta – já falando pessoalmente e de mim – com qualquer pessoa com quem quero estar em comunicação, cada minuto, cada dia. Minha filha vive em Genebra, a filha da minha mulher na Sibéria, dois netos em Genebra, outra neta em Los Angeles, minha mulher e eu viajamos muito. Sempre estamos em contato. A família está absolutamente em contato. Minha irmã mora nos arredores de Barcelona, esteja onde estiver, sempre estamos em contato. Com a minha filha falamos diariamente. Não apenas por e-mail, mas pelo Skype, gratuitamente.

De que qualidade é essa comunicação que estamos construindo?

É uma comunicação muito mais intensa porque podemos falar muito mais intensamente, o que não exclui que se a minha filha vivesse na minha cidade ou ao lado, eu a veria pessoalmente, claro. Também o faria pela internet. A comunicação de banda mais larga é, obviamente, a interpessoal, cara a cara, porque há outros níveis de comunicação que não simplesmente as palavras: a estrutura gestual, o olhar… Mas não se trata de opor uma à outra, mas de somá-las e, sobretudo, de, lá onde não podemos chegar com a nossa presença física, poder chegar sempre com um outro tipo de comunicação. E, sobretudo, a que é possível para a imensa maioria da humanidade neste momento.

Te diziam que deveríamos aprender dos norte-americanos porque estão muito mais avançados na utilização desta ferramenta, que nasce por ali. O que temos que aprender? O que nos falta? Imagino que esta ferramenta, sem uma educação secundária suficiente e sem uma educação mais profunda, seja uma ferramenta que podemos inutilizar, ou não saber utilizar.

Primeiro, não creio que tenhamos que aprender dos americanos. Creio que o mundo tem que aprender uns dos outros porque as taxas de difusão da internet no norte da Europa são mais altas que nos Estados Unidos. Mesmo que na internet – a velha tecnologia que começa a ser empregada em 1969 nos Estados Unidos, mas que depois, a partir de 1990, se difundiu por todo o mundo –, neste momento, o maior pacote de internautas – mais de 300 milhões – seja de chineses. A língua da internet não é o inglês; apenas 28% dos websites feitos na internet são em inglês. Ou seja, é um fenômeno absolutamente universal.

Portanto, não temos que aprender internet. Vivemos com a internet, não na internet. A utilizamos para trabalhar, para nos relacionarmos entre nós, para ler os jornais… Pessoalmente, não conheço ninguém que leia mais o jornal impresso do que o digital, o que coloca alguns problemas à imprensa escrita. A internet não serve para ver os jogos do Barça quando são transmitidos para o outro lado do mundo…

A banda larga ainda não dá a qualidade das jogadas…

Ah, não! Mas também não tens isso em campo ou vendo o jogo pela televisão, mas está chegando. O que quero dizer é que a internet é nosso contexto de comunicação, é o que temos, é o que vivemos, não é uma coisa estranha, é como pensar como vivemos com eletricidade. Nem pensamos nisso. Para os jovens de 20 anos, para não falar das crianças de cinco anos, o mundo é a internet. Não se concebe outro mundo que o da internet.

A questão da pouca familiaridade com a internet se resolve quando a minha geração desaparecer. Essa é a brecha digital, gente da minha idade ou inclusive um pouco mais jovem. Quando por lei biológica desaparecermos de cena ninguém se colocará os problemas que nos colocamos agora sobre se a internet é de um jeito ou de outro. É o que respiramos, é o que fazemos. Já demos o salto e ninguém mais pode se colocar a questão de se fazemos ou não internet.

O tema que colocavas, o que é central, o que acontece na inadequação entre o nível de educação, cultural ou geral? Há duas questões. Uma, utilização que não é necessariamente para questões de buscar informação e combiná-la para obter conhecimento e aplicá-lo. O que dizem as pessoas: cursos para aprendizagem da internet. O quê? Colocar o dedo aqui… Isso se aprende em meia hora.

O problema é, uma vez que sabes, o que fazes na internet? Para comunicar-se não há nenhum problema, para ninguém, qualquer que seja o seu nível cultural. Fica encantado em comunicar-se. Nas periferias operárias de Madri ou Barcelona desenvolveram, para tirar o medo que as pessoas idosas têm da internet, programas em que as crianças ensinam aos seus avós a como usar o correio eletrônico e assim podem estar conectados.

A comunicação entre as pessoas, essa já é uma realidade. Para a utilização da internet como meio de informação e comunicação tampouco faz falta algum tipo de treinamento. Pois bem, o grande problema que se coloca na sociedade é que como é uma ferramenta tão potente de acesso à informação, a qualquer tipo de informação, saber o que se busca, onde, como se busca, para quê se busca e o que fazer com isto em nossa vida requer um nível cultural. Aí entra a educação. A divisão mais fundamental na história da humanidade, muito mais que as classes, mesmo que de modo geral haja uma correlação, é a divisão entre quem sabe e quem não sabe, quem sabe e quem não sabe ler, quem entende o mundo e quem não o entende. Níveis culturais educativos. Essa é uma divisão fundamental.

Aí sim é certo que, tanto na população em geral como entre os jovens, quanto mais educado estás mais sabes o que a internet pode oferecer para a tua vida e mais a podes utilizar, desfrutar e mais te ajuda a se desenvolver. O tema está muito claro. Em termos de políticas, a educação é central. Em uma sociedade com internet é muito mais importante do que nunca na história o desenvolvimento de uma prioridade absoluta para a política educativa. Não apenas para integrar a internet na educação, ao contrário, para que as pessoas sejam suficientemente educadas para poderem utilizar as extraordinárias possibilidades abertas pela internet.

Como o poder está utilizando a internet? Para que lhe serve? Como mudou a relação do poder com a sociedade graças à internet?

Se estamos falando do Estado, que é apenas uma das formas de poder, os Estados têm medo da internet, diretamente, porque perderam o controle da comunicação e da informação sobre as quais se baseou o poder ao longo da história. Mas há um problema. Por outro lado, a internet é extremamente útil para a economia, bem utilizada para a educação, para os serviços públicos, para a informação. Mas, por outro lado, não podes ter um pouquinho de internet, tens que ter internet na plenitude de sua capacidade autônoma de comunicação.

Não se pode interferir na internet. Pode-se fechar um servidor. Abre-se outro servidor. Caso contrário, que se pergunte aos iranianos que tentaram fechar o país a sete chaves durante uma semana e não o conseguiram porque sempre há formas de chegar a um servidor que não está no território desse país. Ou quando a Espanha tornou a vida impossível ao “Acrópolis”, um dos sítios da internet em espanhol. O “Acrópolis” simplesmente mudou o servidor para Nova Jersey.

Atualmente, o Estado tem um grande problema com a internet porque perdeu a capacidade de informação e comunicação. O que fazem então? Vigia-se a internet, entra-se na privacidade das pessoas, mas isto sempre ocorreu, não é novo. Claro que não há privacidade na internet e os governos sem querer podem entrar em todos os nossos correios eletrônicos, em tudo o que fazemos porque sempre fica um registro digital. Teoricamente, países democráticos como a Espanha necessitam de uma ordem judicial, mas na prática cada vez que um governo quer fazer algo usa os recursos legais disponíveis. Caso não conseguir, recorrem aos ilegais. Todos os governos em todo o mundo.

O que acontece então? Nos vigiam. Sempre foi assim. A novidade é que nós podemos vigiá-los também. A novidade é que qualquer ministro, personalidade, banqueiro ou qualquer pessoa que esteja fazendo algo que não gostaria que se tornasse público, qualquer pessoa que ande com um celular pela rua pode filmá-lo e exibi-lo no Youtube em cinco minutos e isso estará nos telejornais da noite imediatamente. Foi isso que aconteceu repetidas vezes nos últimos anos. Invadem a nossa privacidade, sim, mas também podemos invadir a privacidade dos poderosos, temos armas relativamente iguais.

O outro problema é que se exagera na capacidade de controle da internet. Tecnicamente, materialmente, como se faz? Nós estudamos a China neste aspecto. Em teoria, podem controlar tudo, mas na prática não vão ler cada um dos milhares de milhões de mensagem enviadas. Isso é feito por robôs. E como funcionam os robôs? Com sistemas de análise automática de conteúdo. Palavras-chave. A maioria dos chineses que se comunica não se interessa pela política, os que fazem pornografia também o fazem com cuidado, como aqui, mas fundamentalmente as pessoas vivem sua vida na internet sem se preocupar muito.

Aqueles que se preocupam mais com a política já sabem que não podem dizer palavras feias, como democracia, Tiananmen, Tibet, Taiwan… nenhuma dessas coisas que imediatamente o robô entende.

Nos tempos da transição à democracia, nos últimos anos do franquismo havia quase imprensa livre na Espanha. Claro, não podias dizer: “O sanguinário regime da ditadura franquista”, mas podias dizer a mesma coisa utilizando outras palavras e nenhum robô de censores tomava conhecimento.

Tu sabes disso porque tinhas um tio censor.

Exato.

Fizeste um blog com algo assim.

Bom, um blog, uma multicopista.

Que era como um blog de então.

Meu blog de tinta violeta.

O que quero te dizer é que os estados perderam cotas de controle e de poder com a internet, e isto está muito claro. Aumentaram a capacidade de invadir a nossa privacidade, mas nós também [temos a capacidade de invadir] a privacidade deles. Em termos relativos aumentaram extraordinariamente os graus de liberdade das pessoas em relação ao Estado, em relação ao poder em geral.

Isto quer dizer que as pessoas que não têm acesso às instituições de poder na sociedade, as grandes empresas ou os meios financeiros, os cidadãos simples, para nos entendermos, incrementaram a sua capacidade de poder porque podem organizar a comunicação do que pensam, o debate e por sua vez as mobilizações de forma autônoma aos mecanismos de controle do poder do Estado.

Nesse sentido, a internet abriu esferas de liberdade que não tínhamos antes. Agora, liberdade sem conteúdo. Mais livre, para mim é um valor, mas não garante os usos da liberdade. E os usos da liberdade podem ser para causas que alguns podem considerar nefastas. Mas somos mais livres. A questão é como administramos essa liberdade. Assim como dizíamos que a internet sem educação é uma internet tonta porque não sabes muito bem o que fazer, pode ajudar um pouco a sair da ignorância, mas está limitada; igualmente, uma internet livre com indivíduos que utilizem essa liberdade para autodestruir-se ou destruir os outros é uma internet que pode majorar as tendências negativas.

A grande questão da internet é que é um espelho de nós mesmos. Amplifica o que somos, para bem ou para mal.

Dizes em algum momento do livro que somos anjos e demônios.

É que somos o que somos.

Custa pensar que o poder não busca uma maneira de neutralizar essa liberdade que os cidadãos têm agora em estado puro. O que fizerem com a liberdade, como comentas, já é outra coisa porque a rede se encheu de mentiras, falsidades, calúnias e de anônimos.

A imprensa também, certamente, mas está mais controlada.

Como o poder se defende da criação dessa liberdade? Dizes que o poder é muito mais que comunicação e comunicação é muito mais que poder. Há aí como que um choque de trens muito importante.

Exato. Sempre pensando que eu falo em termos de poder tanto dos de cima como dos de baixo. A internet incide nas relações de poder incrementando o poder dos que tinham menos poder. O que não quer dizer que os que controlam o Estado, as grandes empresas, estejam diminuindo o seu poder. Não. Têm menos poder sobre os cidadãos, mas ainda têm o essencial.

Como reagem? Tentando esgotar o mais possível os espaços de liberdade. Por exemplo, a grande questão que se coloca nos Estados Unidos e que na Europa é menos intensa, é como as grandes corporações de telecomunicações, as operadoras, estão tentando conseguir o que se chama uma internet neutra, isto é, que dá maior banda larga, maior capacidade, maior velocidade, melhor qualidade de acordo com o pagamento pelo serviço. Mesmo que isso se dê às custas de deixar sem o serviço ou com serviço de muito baixa qualidade uma grande proporção de cidadãos.

Com isto há uma enorme batalha, foi um assunto da campanha de Obama e Obama nomeou presidente da Comissão Geral de Comunicações um dos líderes desta campanha para a neutralidade do uso da internet. Na Espanha temos uma excelente Comissão de Mercado de Telecomunicações que vela para evitar práticas monopolísticas das operadoras, em princípio.

Isto é um método. Outro é tentar censurar, e já vimos que isto é bastante difícil. Outro ainda é tentar fechar servidores, um método mais importante, mas que ao mesmo tempo tem o problema para os controladores de que sempre se pode desviar o tráfico por outros circuitos internacionais. E outro método é tentar introduzir uma série de legislações que são pretexto para outras coisas e que no fundo é para controlar a internet: pornografia infantil, controle da pirataria… Este tipo de legislação tem como objetivo último, não tanto a proteção das crianças, mas o controle sobre a internet. Pode tornar a vida muito difícil aos provedores de serviços mas, insisto, há uma comunidade internauta no mundo com 1.7 bilhão de usuários que sempre encontram formas de driblar o que os governos tentam controlar.

Eu participei de muitas comissões de internet nos últimos 12 anos na União Europeia e em outros países e a primeira pergunta em qualquer Comissão dos Governos é: como podemos controlar a internet. A minha primeira resposta é: não se pode. E a partir daí cai o interesse na Comissão.

É que não se pode tecnicamente, ao menos, fechar. É preciso desligar fisicamente a conexão.

Dizias que pensar agora em deixar a internet é como pensar em abandonar a eletricidade. Em algum momento dá a impressão também de que quiséssemos deixar o ar, porque agora mesmo a liberdade que a internet dá se parece com a liberdade do ar.

A liberdade de respirar. Por isso são batalhas de retaguarda de uma velha ordem que segue andando, mas que está morta. O que acontece é que os suspiros dessa velha ordem do controle informacional podem ser muito perigosos para muita gente. Por exemplo, para os provedores de serviços de internet, que podem arruiná-los e tornar a sua vida impossível. Pode ser também complicado para a expressão da nova cultura digital que requer um nível de criação em que possas criar teus próprios produtos, não em que possas baixar vídeos protegidos por direitos de propriedade. Não. Teus próprios produtos de intercâmbio cultural. Pode ser um problema para produzir teus próprios textos, teus próprios pontos culturais sem nenhum tipo de limite para os direitos autorais.

Quer queira ou não eu tenho que pagar à Sgae [Sociedad General de Autores y Editores]. Construiu-se todo um sistema de interesses corporativos, diria que quase medievais, que vão frear durante muito tempo a livre comunicação dos produtos culturais.

O digital também vai varrer inteiramente o papel?

Não, absolutamente. Infelizmente. Digo infelizmente porque estamos desmatando o planeta. A constatação empírica atual é que quanto mais se expandiu a internet e a informática mais papel se gastou, proporcionalmente aos processos de informação, porque por alguma razão ainda fica uma parte em papel. A produção em papel, proporcional à enorme massa de informação digital que se produz, é pequena, mas o volume é muito maior do que antes da era digital.

Estou fazendo esta entrevista para um jornal digital e de papel. Quando essa entrevista seria feita apenas para o suporte digital?

Na verdade, nunca faço previsões porque sempre me engano, mas a realidade é que, além disso, as demais previsões também se equivocam. Será feito apenas no formato digital no dia em que a edição em papel for um produto de luxo que apenas as elites culturais, que apreciam um prazer que eu compartilho, do barulho do papel no café da manhã e o café fumegante, podem se permitir. Quando for preciso pagar 10 euros por um jornal, te garanto que a maior parte dos leitores vai migrar para a web.

Em que momento desse porvir estamos?

Estamos no momento decisivo porque temos uma crise econômica muito profunda em que nem as empresas jornalísticas têm recursos, nem as pessoas se podem dar o luxo de comprar em papel o que podem fazer na web. A ideia é, como fez o El País há alguns anos, fecharmos a web e restringir o acesso à assinatura, isto é, a alguma forma de pagamento. Imediatamente os leitores diminuíram de 100.000 para 25.000 em questão de poucos meses, tiveram que mudar e montar um outro modelo através de publicidade, de serviços indiretos, de serviços de arquivo… Há uma série de modelos interessantes nesse aspecto. Diria que neste momento estamos em um ponto de aceleração para o jornalismo digital.

Nessa parte de anjo e demônio que tens, se fosses o advogado do diabo do papel, portanto, acusador da internet, o que perderíamos perdendo o papel?

A nostalgia, porque não vais poder convencer as crianças de cinco anos de uma coisa que fundamentalmente serve para carafunchar.

No livro falas de alguns elementos que o poder, analógico e digital, utiliza: a mentira, a manipulação, a suspeita… e relacionas isso com o trabalho de George W. Bush para produzir o clima que tornou possível a guerra no Iraque. A novidade, esse ar que impulsiona a novidade, tornará a manipulação mais difícil?

Sim, mas não completamente. Sim, no sentido de que a informação pode circular muito mais rapidamente. Sim, no sentido de que os cidadãos podem intervir muito mais amplamente no debate. Não, no sentido de que, como mostro no meu livro, as pessoas acreditam no que querem acreditar independentemente da informação que receberem.

Há, mais ou menos, cinco vezes maior capacidade de registrar uma informação que gostaria que fosse afidedigna que a contrária, por mais convincente que a outra seja. No caso concreto de Bush, a base era que as pessoas tinham medo, por razões obvias. Se mandaram as Torres Gêmeas pelos ares, estão matando milhares de pessoas e há terrorismo no mundo, tens medo. Sobretudo, um país como os Estados Unidos que não havia sofrido terrorismo e que não havia tido guerras a não ser a do Havaí ou sua própria guerra de Secessão.

Aí se cria um clima de pânico que é de-li-be-ra-da-men-te aproveitado por estrategistas políticos de altíssimo escalão para manter e incitar ao medo. Além disso, ao medo insidioso, ao terrorismo que não se sabe de onde vem e para criar uma série de políticas com palavras – as palavras são fundamentais –, tais como: “a guerra contra o terror”. É uma guerra, estamos em guerra, uma coisa obscura, não se sabe o que é o terror.

As palavras são fundamentais porque são o ponto de entrada para as metáforas e as metáforas não são uma coisa literária, estão organizadas fisicamente em nosso cérebro. Nosso cérebro funciona em metáforas a partir de associações com experiências. As palavras que ativam as metáforas, que ativam emoções, que ativam decisões. É isso o que dizem os estudos experimentais.

Nesse sentido, a capacidade de manipulação dos políticos, de um lado ou de outro, é de ativar e desativar palavras, imagens, temas… que ativam as metáforas que vão em um sentido ou em outro segundo o interesse em questão. Por isso, dizia, o que a internet faz é, realmente, ampliar o marco de comunicação e de informação e abrir o jogo. Isso não vai mudar a possibilidade de que se tu tens medo, a própria existência da internet pode multiplicar as possibilidades de acessar imagens que ativem o medo.

Diferença? Em um mundo dominado pela televisão, podes receber imagens que vão quase todas no sentido de ativar esse medo. Em um mundo livre da internet podes ter imagens suficientes de outro sentido para ativar teus outros elementos metafóricos de diminuir o medo e aumentar a confiança.

Foi isso que Obama ativou de maneira muito hábil. É impossível entender o Obama sem a internet. Demonstro no meu livro que não foi só pela internet, mas sem a internet o Obama não teria sido eleito.

Falando do papel da imprensa, assinalas que não há um modelo de negócio. Vislumbras algo nesse sentido? Crês que poderemos subsistir como jornalistas sem ter que pedir pelas esquinas, oferecendo tudo gratuitamente, não podendo viajar porque ninguém nos paga? Como vamos subsistir como jornalistas se não podemos cobrar das pessoas pelos conteúdos?

Não se deve confundir a plataforma com o jornalismo profissional. O que é mais complicado é manter, em um mundo de internet e de publicação pela internet, o jornalismo impresso. Mas pode haver um jornalismo absolutamente florescente, profissional e bem pago com outra plataforma. Não digo que o papel vá desaparecer, digo que não é a mesma batalha a defesa do papel e a defesa do jornalismo profissional nos termos em que foi se construindo historicamente.

É preciso acostumar-se com a diversidade de plataformas, que podem ser algo em papel, muito na internet, muito mais em distribuição de informações pelos celulares, muito mais em dossiês que as pessoas fazem. Atualmente, as pessoas não leem um jornal, utilizam a técnica RSS para procurar algum assunto na internet. Se no momento me interessam os temas relacionados à corrupção política ou imobiliária na Espanha, vou atravessando diversos meios de comunicação em base a palavras-chaves e construo o meu próprio texto. Não recebo um texto em pacote de um jornal nem olho todo o jornal, mas construo o meu próprio jornal. É isso o que já está acontecendo.

Nesse sentido, pode haver uma plataforma diferente, eu diria uma multiplataforma que é onde estamos lendo, sem ser ao mesmo tempo muito profissional. O que resta ao jornalista? Duas coisas: a credibilidade e a profissionalidade. O oceano de informação da internet, por definição, não pode conter todo crível. Portanto, se introduz a dúvida do que é crível ou não. Há coisas muito confiáveis, outras não, outras pura invenção mas o que há é a interação através da qual as pessoas vão corrigindo às vezes essa informação, meu método wiki. O jornalismo profissional, os meios profissionais ainda guardam um capital de credibilidade.

Por outro lado, a qualidade da informação depende em boa parte da formação profissional da qualidade do profissional. Aqui não é fácil competir com os blogueiros do mundo, em relação aos quais vocês são jornalistas em formação, com ética profissional, com trabalho acumulado, com experiência, com conexão, etc. Creio que aí há um núcleo muito forte.

Pois bem, o que acontece? Que por outro lado, essa credibilidade e profissionalidade tem que ser respeitada pelas empresas da comunicação e, paradoxalmente, os jornalistas profissionais têm um aliado potencial no mundo desordenado dos blogs. Antes vocês podiam dizer: olha, esta informação é melhor não colocar. Agora não vão poder dizer isso porque a informação já está na internet. Se se está falando de algo na internet, não podem ignorá-lo. É uma atitude suicida do ponto de vista da empresa.

O que têm que fazer é tomar essas informações, esses rumores e situá-los em um pacote diferente, muito mais objetivo, tratando-o profissionalmente, etc. Portanto, canalizando e articulando o trabalho profissional de vocês com o mundo dos blogs, que tentam intervir desordenadamente no mundo da comunicação, e servindo-se disso como contrapoder às pressões políticas ou empresariais, que sempre foram o grande problema para o jornalismo profissional.

Em um mundo de amplitude de informação, mas sem controle de qualidade e de pressões políticas e econômicas tremendas sobre a objetividade jornalística, o papel do jornalismo profissional se incrementa, se torna mais necessário para os dois sentidos. Mas é um papel difícil, sempre é preciso considerar que os jornalistas não são heróis e que a sobrevivência diária pode levar à existência de dois tipos de jornalistas: os que guardam a objetividade, mas não o emprego, e jornalistas empregados que têm que transigir diariamente.

Uma reflexão tua diz que se as relações de poder se constroem na mente através dos processos de comunicação, estas conexões ocultas muito bem poderiam ser o código fonte da condição humana. Quer dizer, teu livro às vezes também me soa a ontologia, é uma busca do que é o ser humano em virtude de que o poder e a comunicação formam parte da constituição da sua mente. O ser humano quer poder e ao mesmo tempo quer comunicar o que faz para ter poder.

Muito bem observado. Isto já entra no terreno hipotético. A maior parte do livro está empiricamente sustentada e com métodos que podem contrastar as análises com dados sólidos. A partir daí há extrapolações muito mais de exploração, e um deles é este.

A ideia é a seguinte: o tipo de relação mais importante é o poder – para mim é o mais importante porque de quem tem o poder e como o tem se definem as regras do jogo e tudo o mais depende de em que situação de poder nos encontramos uns com os outros e como foram se construindo. Se o poder é fundamento da sociedade, é uma visão um pouco tradicional-filosófica mas não é construída por anjos, mas por relações de poder e por isso vai mudando, infelizmente.

Mas o poder se constitui sobretudo em nossa mente porque a forma como pensamos determina o que fazemos e o que fazemos favorece estes ou aqueles interesses em termos de poder. A ideia aqui é que o essencial da condição humana é a comunicação e o essencial da organização humano é o poder. Na conexão entre poder e comunicação através de nossas mentes individuais e coletivas talvez seja onde podemos encontrar o segredo de como se organiza a condição humana, em que sentido e em função de que nos destruímos ou, ao contrário, nos expressamos em condições de criatividade extraordinária.

Em algum momento citas, e talvez seja interessante dada a tua condição de manchego-catalão-californiano do mundo, uma frase de Ulrich Beck sobre a nação: “Libertar os conceitos básicos da sociedade moderna, das fixações do nacionalismo metodológico”. Em que momento estamos em se tratando do patriotismo? Todas estas coisas que nos fazem mais globais, mais universais, mais locais também, mas mais interconectados, o que fazem com o patriotismo? Deixam-no num broche ou o sentimento tão arraigado em algumas sociedades está se diluindo graças ou à mercê das redes?

Por um lado, metodologicamente, não podemos pensar as sociedades, como todas as ciências sociais o fizeram até agora, partindo do que é um país, um território delimitado pelo Estado-nação. E em termos de poder, o sistema político é um sistema de Estados-nações. O que Beck diz, com razão, é que é um momento em que as relações de poder se constroem globalmente, no econômico, no cultural, nas relações entre Estados, nas relações entre movimentos sociais… Ou seja, o âmbito do poder, o âmbito da construção política é um âmbito global.

Todas as ciências sociais, estudos eleitorais, análises… se construíram, e seguimos assim, dizendo: eu estudo a Espanha. A ideia é: não podes estudar a Espanha se não estudas as relações globais e locais da Espanha. Em termos metodológicos, as ciências sociais têm que sair do Estado-nação como definição de unidade de análise. Mas isso é diferente do que acontece com a nação, do que acontece com o Estado-nação e do que acontece – teu tema – com o patriotismo.

Mantenho – porque cada vez foi se acentuando – a análise que apresentei e documentei na minha trilogia e em particular no meu livro O poder da identidade, em que o essencial do mundo é constituído, por um lado, por redes globais de poder, tecnologia, finanças, economia, comunicação… e, por outro, identidades cada vez mais locais, regionais e na-cio-nais também. Nesse sentido, o patriotismo é, atualmente, muito mais importante do que o sentimento de classe, por exemplo, ou que outros tipos de identidades anteriores.

Com o patriotismo, dependendo dos países, entramos na outra discussão. Por exemplo, na Espanha há nacionalismo espanhol e patriotismo espanhol, mas também há um nacionalismo catalão, basco ou galego com seus respectivos patriotismos. A identidade mais forte, em geral, no mundo é local-regional mais que nacional.

O sentimento de pertença a uma nação, a uma região, a uma localidade é um dos fundamentos básicos sobre os quais se estrutura a sociedade hoje em dia. E aqui temos a contradição: vivemos em um mundo global cada vez mais identitário ao mesmo tempo. É o problema essencial da União Europeia. A União Europeia é uma instituição não democrática porque os cidadãos não a querem. Querem-na para resolver problemas, para resolver a economia, mas não se sentem membros de uma coisa chamada Europa. Os governos não a querem porque lhes tira poder, mas instrumentalmente necessitamos dela.

Dizer que o patriotismo é cada vez mais importante não quer dizer necessariamente, em nosso contexto, o patriotismo espanhol nem o patriotismo catalão. Os dois. Diria que houve um aumento considerável do nacionalismo e do patriotismo tanto na Catalunha, País Basco ou inclusive na Galícia, como no espanhol, incluídos os territórios em que emergem outros nacionalismos.

Isto é cada vez mais importante, não menos. E aí estou em contradição com a ideia de Ulrich Beck. Estou de acordo com a sua forma de análise, não estou de acordo com suas conclusões, de fato mais normativas que analíticas, que dizem que a contradição entre Estados-nação em que vivemos, em um sistema global no qual também vivemos, só se pode resolver com um governo global e uma cultura cosmopolita.

Não me parece mal, me pareceria perfeito, só que os dados vão no sentido contrário. Não se vê, não há consciência cosmopolita. Não há cidadãos do mundo. As pessoas não se consideram cidadãs do mundo, em absoluto. Só algumas elites. Há uma correlação perfeita: quanto mais elite, mais proporção de cidadão do mundo. Quanto mais pobre, mais dominado, menos educado, mais te agarras à tua terra, ao teu Estado-nação, ao que tens, porque nas redes globais estás perdido.

E tu és de onde?

Se tenho alguma raiz é mais da Catalunha. Me honra muito que me considerem da Mancha, mas morei ali apenas um ano, o primeiro da minha vida, e nunca mais retornei.

Como Almodóvar.

Pois é, por aí vai o assunto. Depois morei em vários lugares, mas a minha formação de adolescente, de jovem, foi em Barcelona. Acrescente-se a isso que depois fui – melhor, fui obrigado a ir – aos 20 anos e morei 17 anos em Paris, e 30 anos entre a Califórnia e a Espanha, mas sobretudo a Califórnia. Se me dizes onde me encontro melhor no mundo: para trabalhar, na Califórnia, para viver, em Barcelona.

Mas não sou cidadão do mundo. Sou cidadão sentimental de várias localidades, sou “multilocal”, não global.

Há anos, quando ninguém acreditava nisso, Juan Cueto dizia que agora estamos diante de muitas telas. Acreditávamos que a tela que iria permanecer seria a tela do televisor e nos enganamos. Agora há outras telas.

É isso aí. E as trazemos cada vez mais em nós. De fato, somos uma multiplataforma de comunicação.

Mesmo que chames a televisão de “a eterna companheira”.

Claro, porque é o contexto comunicativo. Mas já não é só a televisão, é tudo ao mesmo tempo. Somos uma multimídia perambulante.

Arrepia ler a seguinte reflexão sua: “As pessoas se matam pelo que sentem: hostilidade étnica, fanatismo religioso, ódio de classe, xenofobia nacionalista, raiva pessoal…”. Passaram-se muitos séculos, estamos no umbral de uma nova era, que defines muito bem neste livro. O homem mudou? Em que mudou ou por que não mudou?

Mudou em muitíssimas coisas. Na capacidade de desenvolvimento tecnológico, de superar as doenças, aumentar a cultura… Em todos os assuntos relacionados ao progresso da humanidade é evidente que fizemos mudanças extraordinárias e aprendemos a criar ao menos regras do jogo que nos permitem coexistir. Mas não mudamos em algo fundamental: são as emoções que determinam o nosso comportamento. Isso está em nosso cérebro.

Vivemos no mito do progresso e o Iluminismo que, com seu espelho simétrico no mito do homem soviético, do homem comunista – bom, já faz tempo que desapareceu – partia da ideia fundamental de que era preciso arrancar as pessoas de sua primitiva identidade, ou de suas emoções, para construir algo novo que se definia a partir do Estado e se davam identidades do Estado: és um cidadão. Bom, francês, vale. Mas o importante é que és cidadão, não és bretão, não és mulher, não és negro… és cidadão.

Não conheço nenhum cidadão. Conheço pessoas com muitas características próprias e as pessoas seguem se vendo assim. Cidadão é uma dimensão instrumental para delegar o poder político a alguém que nos administre. Mas como as pessoas acreditam cada vez menos nisso, cada vez pensam mais que essa delegação está vazia de conteúdo. Então se sentem cidadãos, mas não sentem que vivem em uma cidadania. Portanto, essa identidade também cambaleia.

O que resta então? Nossa família, nossa cultura, nossa religião, nosso território… E em momentos em que há crises e tensões, a primeira coisa é definir-se como “eu”, mas definir-se como “eu” é definir-se contra o “outro”. Com a minha análise, já há dez anos, o que fui demonstrando é que, concretamente, o mundo que vivemos em vez de ver a emergência do homem e da mulher cosmopolita, o que vemos é a emergência de culturas, que quando se intercambiam, hibridizam e mestiçam são um instrumento, uma ocasião de extraordinária riqueza. Mas que quando não se comunicam, se fazem trincheiras de oposição e em último termo de violência.

Restabelecer os canais de comunicação entre as pessoas, e não verticais, é em certo modo a única defesa contra a barbárie de ódios entre culturas.

Por isso dizes que quando vemos vida, vemos redes.

Vemos vida, vemos rede e vemos comunicação. A comunicação é a vida. Sem comunicação é a destruição.

Dizes: “Como não somos capazes de reinventar Hollywood por nós mesmos, usamos a internet para nos relacionarmos socialmente”, e acrescentas que o grande erro do Second Life, por exemplo, é não ter criado a utopia. Onde está utopia?

Em nós. É o que nós podemos inventar. Mas não tu e não eu, mas juntos e com outras pessoas ir construindo em nossas mentes outras formas de se relacionar. A utopia são as cooperativas de produção e consumo que explodem não apenas por todas as partes na Espanha, mas no mundo em geral. A utopia são as redes de troca que existem atualmente de serviços, de bens, de produtos. É plantar teus tomates e tuas alfaces e consumi-los. É inventar uma cidade cada vez mais baseada na bicicleta e não no automóvel… A utopia é crermos realmente que podemos viver de maneira diferente. Mas temos que ser muitos os que acreditamos nisso, não uma pessoa.

Por isso, a apropriação de Hollywood a nível individual fragmenta, destrói a comunicação. Paradoxalmente, Hollywood é um obstáculo à comunicação, mas nós temos que reconstruir outras formas de comunicação que levem a utopias que não são impossíveis, mas que são antecipações da vida que podem ser possíveis e que não ainda não existem.

Por IHS/Unisinos

 

Tags: , , , ,

Manuel Castells: ”O negócio do Google é vender liberdade”

Convidado pela Fundação OSDE e pela Universidade Nacional de San Martín, na Argentina, o sociólogo espanhol passou por Buenos Aires para falar sobre “Comunicação e poder na sociedade em rede”, tema de seu último livro. Ele explicou conceitos como a automediação e a autocomunicação e disse que o “Twitter é fantástico para fazer a revolução, mas quando é preciso explicar o programa revolucionário vamos para o Facebook”.

A reportagem é de Horacio Bilbao, publicado na Revista Ñ, 08-07-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Especialistas da comunicação, pesquisadores, jornalistas, os participantes de sempre e alguns figurões inclassificáveis compunham o auditório que, na sede portenha da Fundação OSDE, se dispôs a ouvir o sociólogo espanhol Manuel Castells.

Entre todos, talvez tenha sido Gustavo Grobocopatel, o homem estigmatizado com o título de rei da soja, que recebeu a maior quantidade de cumprimentos e de agradecimentos pela sua presença nessa conferência magistral sobre “Comunicação e poder na sociedade em rede”, um tema com o qual ele vem lidando quase tanto tempo quanto com sua banda de folclore que se poderia chamar Los Grobo [um dos maiores grupos produtores de grãos do mundo], mas se chama Cruz del Sur.

Sabiamente puntual, o antropólogo Alejandro Grimson se encarregou de chamar o orador da noite. Contou rapidamente que Alain Touraine havia sido seu mentor, e que Castells estava entre os cinco teóricos sociais mais referenciados dos últimos tiempos, ao lado de figuras como Habermas, Giddens, Sassen e Beck.

Ele mencionou várias vezes a sua arquiconhecida trilogia “A era da informação”, mas deixou claro que Castells chegou a Buenos Aires para apresentar seu último trabalho, “Comunicación y poder”, um texto ainda não editado na Argentina que, segundo seu autor, é o resultado de uma pesquisa de dez anos. De resultado incerto, diria o próprio Castells, já que “tão logo como a tinta se seca começo a mudar de ideia”.

Bem informático, Castells começou dizendo que, “nas relações de poder se encontra o código fonte de qualquer sociedade”. E falou de uma dialética, que não é a materialista em termos marxistas, certamente, mas é a que, para ele, encerra o debate principal sobre estes tempos.

Cem por centro gramsciano, o sociólogo definiu: “Onde há poder, há contrapoder; onde há dominação, há resistência”. E depois explicou que, dessas relações, surgem compromissos parciais que geram mudanças e novas normas. Nada novo até aí. Apenas algo de contexto para aclimatar a direção de sua palestra.

“O poder é uma relação, não é tomado”, avisou então, categórico, embora sobrem exemplos de que uma coisa não impeça a outra. “Esse poder, essa capacidade relacional é usada para influenciar e defender os valores e os interesses do empoderado. E daí surge a batalha para influenciar nossas mentes”, esboçou.

Castells falou das duas vias para ostentar esse poder, através do monopólio da violência ou através da construção de significados. “Se não te convenço, te mato”, exemplificou. Uma violência e uma intimidação que podem construir tanto adesão, quanto resignação. Novamente, reforçou a definição de hegemonia de Gramsci, para quem o poder das classes dominantes sobre as classes submetida no modo de produção capitalista não é dado só pelo controle dos aparatos repressivos do Estado, mas também fundamentado na “hegemonia” cultural que as classes dominantes conseguem exercer através do controle do sistema educativo, das instituições religiosas e dos meios de comunicação. Esses mecanismos consensuais da dominação burguesa entraram em uma nova etapa segundo Castells. Não é que tenham desaparecido, mas agora são definidos cada vez mais na sociedade em rede.

Contexto suficiente para que Castells se lançasse com todo o seu peso sobre o tema que o levou a Buenos Aires. “O poder na sociedade em rede é multidimensional, e todas essas dimensões dependem do sistema de comunicação”, arriscou. Algo assim como dizer que as tentativas de mudança social e político irão depender quase exclusivamente da possibilidade de transformar esse sistema de comunicação.

Castells se baseia na teoria da inteligência afetiva para avisar dos riscos que implicaria a perda das batalhas da comunicação. Batalhas que só podem ser conduzidas se conservarmos esses campos comunais que são as redes de comunicação que a Internet tornou possíveis. A tarefa não é simples. Richard Stallman já vem advertindo isso com um ativismo mais extremo há anos. Aqueles que ostentam o poder na sociedade em rede buscam cercar a comunicação mediante redes comercializadas e/ou vigiadas com o fim de fechar a mente pública programando a conexão entre comunicação e poder. Algo que já fizeram no mundo real, mediante a mais-valia. Mas que agora a soma dos indivíduos com espírito colaborativo pode distorcer no mundo virtual. Pode?

O sucesso da Internet, que ainda é um espaço livre mas nem tão livre nas palavras de Derrick de Kerkhove, está ligado muitas vezes ao impulso da autonomia cidadã. Castells situa entre esses impulsionadores companhia como o Google ou o Facebook. E não porque sejam seguidores de Stallman, mas sim porque esse é o seu negócio. “O Google vende liberdade. Se não o fizer, amanhã aparecem dois jovens que criam um novo Google e tiram a sua audiência”.

Para Castells, nesse sentido, a concorrência continua sendo ampla e aberta. Menos democráticos e abertos são os operadores, que, segundo o sociólogo (vários exemplos lhe dão razão), buscam acabar com essa neutralidade. “Querem fechar as terras comunais, esse é o grande problema”, diz Castells. Todo um atentado contra a preservação das liberdades. (Bastaria citar el caso da Filadélfia, que recuou com o seu wi-fi gratuito diante do assédio dos operadores).

E depois Castells insistiu em algo que já repetiu mil vezes: “Os governos odeiam a Internet”. Embora mais tarde tenha sido menos categórico quando defendeu que, na realidade, o que todos os governos se perguntam é como controlá-la. E ali usam os lugares-comuns de sempre. É preciso proteger as crianças, bloquear esta ou aquela coisa. Por que não protegem as crianças de verdade? O que fazem contra a fome, a miséria? “Os governos estão com a batalha perdida”, diz Castells. “Podem matar o mensageiro, mas não a mensagem”.

E essa é uma das chaves do que Castells chama de autocomunicação. Um modo desintermediado de produzir, acessar e compartilhar mensagens. Por oposição aos meios e baseado nas redes sociais. Não é que o midiático tenha desaparecido. Ainda é a esse formato que a linguagem da política deve se adaptar. Para Castells, os partidos políticos continuam sendo importantes, mas têm que contar com um líder e necessariamente devem passar pelos meios. Meios que, em geral, quando querem destruir ou gerar desconfiança, apelam à política do escândalo. Uma política que se baseia em armas tais como a investigação opositiva, que se tornou uma indústria, ou no lugar-comum de que, na política, todo mundo é financiado ilegalmente.

Segundo Castells, essa política do escândalo está produzindo efeitos variáveis. E, há algum tempo, às crises de legitimidade ou à desconfiança generalizada, que costumam ser os efeitos buscados, opõe-se o que Castells chama de fadiga do escândalo, um efeito colateral por meio do qual todos parecem ser igualmente corruptos. “Como todos são iguais, eu fico com o meu mentiroso, que é mais simpático”. Frente a esse desgaste da relação entre comunicação e poder, uma verdadeira crise de legitimidade, surgem essas formas que Castells chama de Autocomunicação.

Um conceito para o qual a Internet e os dispositivos móveis obviamente serão chaves, e em que as redes sociais são, hoje, o pilar dessa comunidade. “O Twitter é fantástico para fazer a revolução, mas quando é preciso explicar o programa revolucionário vamos para o Facebook”, diz Castells. Pode-se acreditar que a revolução virá dessas ferramentas tecnológicas, das comunidades que se armam através delas? Sendo o Twitter e o Facebook empresas, que tipo de revolução irão permitir?

Na realidade, o que Castells sugere é que as redes sociais, chamem-se como se chamem, estão abertas tanto aos ativistas quanto aos ideólogos. E que, lentamente, vamos rumo a um processo de desintermediação comunicativa. A sociedade seria então capaz de se automidiatizar-se, dando fim aos monopólios. Ou desbaratando qualquer tipo de tentativa para tergiversar a informação. Castells resgatou, para ilustrar isso, um exemplo bem conhecido, quando o PP de Aznar procurou atribuir ao ETA os atentados de Atocha, em Madri, para ganhar tempo nas eleições que finalmente perdeu quando se soube que havia sido a Al Qaeda.

Castells confia em uma autocomunicação de massas. Em uma sociedade disposta a produzir mudanças. E não acredita mesmo nas segmentações forçadas que falam de mundos virtuais e reais. “Não há separação, todos vivemos em um híbrido. Tudo o que fazemos é virtual e, por sua vez, físico”, diz o sociólogo. E acrescenta: “O debate se torna cada vez mais pela Internet, mas o compromisso se manifesta na rua. Embora também seja possível cortar ruas na Internet”.

Por isso a importância de defender esse espaço público híbrido, fundamental em todas as sociedades. Mas o salto, para Castells, está nessa passagem da esfera institucional à comunicativa. “O poder é debatido e lutado nas redes sociais”, diz Castells. As ideologias voltarão a estar no debate acima das política do escândalo? A mensagem de Castells soa como pós-moderno às vezes, mas ele mesmo cede à palavra à inteligência coletiva, colaborativa. Em prol da confiança mútua, a libertação dos internautas será obra dos próprio internautas… Já dizia alguém, não?

Por IHS/Unisinos

 

Tags: , , , ,

As redes sociais ajudam a democracia, segundo Manuel Castells

Nos últimos anos e também no seu livro mais recente, Comunicação e Poder, Manuel Castells teorizou sobre a instauração de um progressivo equilíbrio entre os velhos poderes midiáticos (comunicação de massa, entretenimento, sociedade de telecomunicações, produções televisivas etc.) e as novas oportunidades oferecidas pela telefonia móvel, pelas redes sociais e por todos aqueles dispositivos quase sempre mais difundidos em nível global. Parece ter se tratado de um balanço sem um resultado predeterminado. O que está atualmente ocorrendo no mundo árabe parece, de repente, convalidar o fim desse equilíbrio.

Antecipamos parte da entrevista com Manuel Castells, que será publicada no próximo número da revista Reset. A reportagem é de Giancarlo Bosetti, publicada no jornal La Repubblica, 29-03-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Parece que ocorreu algo revolucionário: em um certo ponto, foi definitivamente ultrapassado um limiar crucial. Está de acordo?

Sim, já que, se tivéssemos acompanhado de perto o que está ocorrendo nas sociedades de todo o mundo, principalmente na faixa da população acima dos 30 anos, teríamos nos dado conta de que os sinais já estavam aí. No meio livro publicado em agosto de 2009, a análise proposta indicava já claramente como as redes horizontais de comunicação típicas da Internet e do wireless ofereciam aos movimentos sociais oportunidades de grande duração, maiores em termos de automobilização e auto-organização, a partir do momento que a comunicação é a chave de toda atividade humana e que a Internet e o wireless definitivamente rompeu o monopólio da comunicação filtrada por governos e empresas. O poder está na antena do próprio dispositivo de comunicação móvel, porque é o que conecta entre si as mentes das pessoas.

Vivemos hoje em um contexto de transparência? Entre as faixas mais altas e as mais baixas da sociedade e o poder político, assistimos talvez a uma mudança irreversível?

É irreversível porque a tecnologia da comunicação opera uma desintermediação da comunicação de massa e porque nos encontramos no meio da revolução digital. A partir do momento em que é muito difícil conseguir controlar as redes (o Egito tentou isso e fracassou totalmente), o mundo em que vivemos é caracterizado por um fluxo em grande parte livre de comunicação. Certamente, os mensageiros podem ser identificados e punidos, mas as mensagens seguem em frente pelo seu caminho. Dessa forma, se os poderes existentes não podem controlar as mentes, as pessoas são livres, pelo menos intelectualmente. Como isso se traduz em autonomia social e liberdade política depende dos processos específicos e das sociedades específicas, mas certamente estamos assistindo à aurora de uma nova era de profundas mudanças sociais e políticas.

As tecnologias horizontais de “autocomunicação de massa” (como o senhor chama) parecem produzir consequências diferentes nos contextos diferentes. Em situações dramáticas, em sociedades opressivas e pobres, parece que elas se tornaram verdadeiramente uma arma de liberdade, um instrumento de segurança, revolucionário. Nas sociedades ricas, ao contrário, não parece que essas tecnologias sejam capazes de ajudar a esfera política a manter sob controle o populismo galopante. Ao contrário.

Não estou de acordo. Em todos os casos, a Internet está favorecendo os movimentos populares e uma expressão mais livre da sociedade, deixando de lado o establishment político. A questão é que os modos em que a liberdade é explorada não são garantidos pela própria liberdade. Nos EUA, Obama não teria sido eleito sem o emprego da Internet em uma extraordinária campanha popular que mobilizou jovens e minorias. Mas o Tea Party também é um movimento popular, semifascista e populista, e para a sua difusão e influência a Internet também se revelou crucial, porque Obama perdeu a batalha para conquistar a mente das pessoas, e a esquerda está completamente desmobilizada, apesar do fato de a batalha do Wisconsin (um exemplo de caro velho movimento de trabalhadores) aparecer hoje como um sinal de contra-ataque. Não podemos ceder ao determinismo tecnológico. A Internet garante a comunicação livre, mas os conteúdos dessa liberdade dependem dos atores sociais.

Qual é a sua reação diante de mudanças tão fortes na nossa região?

Penso que a Europa está atravessando uma profunda crise política. As instituições, os partidos, os líderes estão aprisionados na sua própria história, nos seus próprios interesses pessoais e, em alguns casos, na sua própria corrupção. Estão completamente retirados da sociedade e, particularmente, da sociedade futuro, isto é, das gerações mais jovens e das mulheres. A Itália é paradigmática nesse sentido. O fato de que um personagem corrupto e desagradável como Berlusconi possa ser eleito mais de uma vez está ligado ao desconforto que os italianos já alimentam com relação a toda a classe política. Nesse ponto, é essencial a reconstituição da autonomia política em nível da base popular, e isso depende conjuntamente da instauração de comunicações horizontais entre os indivíduos que bypassem [passem por cima da autoridade] a captura das mídias tradicionais. Nesse sentido, o mundo árabe, na sua forma laica e democrática, pode indicar o caminho para a Europa, séculos depois que a cultura árabe já iluminou as até então bárbaras sociedades cristãs.

Por IHS/Unisinos

 
Comentários desativados em As redes sociais ajudam a democracia, segundo Manuel Castells

Publicado por em 18/08/2011 em Uncategorized

 

Tags: , , , ,

Aumenta a distância entre os políticos e as sociedades em rede: jovens enxergam cada vez menos os partidos como opção para o engajamento político.

Costumo falar aos meus alunos que, ao contrário do senso comum, os jovens se interessam por política; o que eles não gostam é da política convencional. Quem precisa ficar atento a isso é a classe política, que além de ainda não saber lidar direito com as redes pode ser engolida por elas.

Minhas argumentações se comprovam com a recente pesquisa do Datafolha, em parceria com agência Box1824, que ouviu jovens com idade entre 14 e 24 anos.

O levantamento considerou a opinião de quase 3 mil jovens, dos quais 59% não têm preferência partidária e 71% consideram a internet uma ferramenta política.

Os dados mostram que essa faixa etária encontra na internet a forma de se mobilizar politicamente. Conforme publicou o IG, eles “enxergam cada vez menos os partidos como uma opção para o engajamento político”.

Isso assinala alguns fatos muito importantes: a sociedade está mudando, os canais de voz já se ampliaram, a hierarquia está cada vez mais reduzida. A internet, e sobretudo as redes sociais, está tornando as pessoas iguais, com o mesmo poder.

Isso é perfeitamente compreensível se compararmos o comportamento dos jovens nas empresas. Se no meio corporativo, ele buscam horizontalidade nas hierarquias, ou seja, igualdade entre os cargos, logicamente buscarão na política.

Os políticos precisam urgentemente atentar para isso, pois cada vez mais aumenta a distância entre eles e as sociedades em rede. Senão reagirem, com toda a certeza chegará um tempo em que falarão para si próprios. E o parlamento estará nas ruas, longe deles.

O estudo da Box1824 e Datafolha foi feito em duas etapas, uma qualitativa e outra quantitativa. A primeira abordou 1.200 entrevistados de universidades e organizações nas principais capitais do País. A segunda ouviu 1.784 jovens de 173 cidades em 23 Estados.

A pesquisa também concluiu que o jovem brasileiro está otimista com relação ao futuro. Dos entrevistados, 89% afirmam que têm mais orgulho do que vergonha de serem brasileiros. Apenas 9% acreditam que o Brasil está mudando para pior e 15% que o País não está mudando.

Outra constatação foi o otimismo desses meninos, mais ainda entre os de maior grau de escolaridade. Dos que possuem ensino superior, 81% acreditam numa melhora do Brasil. Entre os que fizeram só o ensino fundamental, 68% estão mais otimistas.

Esse fato nos remete a outra análise: se o governo quer ser bem avaliado, deve investir mais em educação. Há variações também entre os sexos. Dos homens consultados, 80% estão otimistas quanto a uma mudança positiva do País. Entre as mulheres, o número cai para 70%. Mesmo assim, aponta para um índice expressivamente alto.

Diante de todo esse cenário que se apresenta, com as redes sociais quebrando paradigmas, ficam alguns questionamentos. Até quando a classe política continuará olhando para o próprio umbigo, desconsiderando a opinião pública? Será que eles conseguirão enxergar em tempo a internet como uma via de mão dupla?

O que se percebe, na verdade, não é uma apatia proposital ou falta de interesse, mas um desconhecimento de como agir e como operar as redes.

Se analisarmos essas transformações sociais demonstradas na pesquisa sob o conceito de política de Aristóteles, vamos perceber que os jovens brasileiros estão no caminho certo. O objetivo deles nada mais é do que aproximar o indivíduo do Estado.

E é isso o que estão fazendo por meio das redes sociais. Segundo Aristóteles, a política visa o indivíduo e ao Estado compete promover a satisfação de todas as suas necessidades. [Webinsider]

 
Comentários desativados em Aumenta a distância entre os políticos e as sociedades em rede: jovens enxergam cada vez menos os partidos como opção para o engajamento político.

Publicado por em 25/06/2011 em Uncategorized

 

Tags: , , , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: